Política

Com gestos concretos e mudanças no discurso, presidenciáveis tentam se aproximar de evangélicos

05/12/2021 08h30
Segmento religioso, que corresponde a 30% do eleitorado e inclui diferentes estratos sociais e linhagens teológicas, foi considerado decisivo nas eleições de 2018 e ganha espaço com ida de André Mendonça ao STF
Com gestos concretos e mudanças no discurso, presidenciáveis tentam se aproximar de evangélicos

RIO e SÃO PAULO - Representando hoje cerca de um terço da população e considerado decisivo para a vitória de Jair Bolsonaro em 2018, o eleitorado evangélico já atrai o foco de presidenciáveis na pré-campanha para 2022. Com taxas de aprovação superiores entre os integrantes dessas denominações, Bolsonaro busca na reta final do mandato entregar ações concretas voltadas para este público, como a indicação de André Mendonça, ex-advogado-geral da União e pastor presbiteriano para o Supremo Tribunal Federal (STF).

Já o ex-presidente Lula (PT) e Ciro Gomes (PDT) atuam para contornar resistências, modulando o discurso para evitar pautas identitárias. Assim como o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), eles pretendem mirar problemas econômicos que atingem especialmente os evangélicos mais pobres. O ex-juiz Sergio Moro (Podemos), por sua vez, está montando um núcleo em sua equipe para fazer a interlocução com o segmento.

As tentativas de aproximação com esse público, que comporta estratos sociais e linhagens teológicas diversos, ocorrem em paralelo à intensificação do lobby de parlamentares e pastores ligados às igrejas mais populares do país. Hoje alinhado a Bolsonaro, o grupo inclui lideranças de denominações pentecostais e neopentecostais, como o pastor Silas Malafaia, o bispo Manoel Ferreira e o apóstolo Estevam Hernandes, além de políticos como o deputado federal Marco Feliciano (PL-SP) e o ex-senador Magno Malta (PL-ES), que se uniram para pressionar o Congresso a aprovar no Senado o nome de Mendonça. O ex-AGU classificou sua ida para o STF como “um salto para os evangélicos”.

A vitória de Mendonça foi encarada por essas lideranças como uma demonstração de força e da importância de que o apoio em bloco seja mantido na campanha à reeleição de Bolsonaro.

— Nosso papel será manter a nossa base unida, somos a mais fiel que o presidente tem — afirma Feliciano.

Além de cumprir a promessa de um ministro “terrivelmente evangélico” com a chegada de Mendonça ao STF, Bolsonaro perdoou R$ 1,4 bilhão em dívidas das igrejas. Apesar disso, lideranças têm lembrado o presidente que pautas caras ao segmento seguem não atendidas. Algumas dependem do próprio Bolsonaro, como a transferência da embaixada brasileira em Israel de Tel Aviv para Jerusalém. A bancada evangélica também se opõe à facilitação do acesso a armas de fogo promovida pelo governo. Em relação a outros temas, como a legalização dos jogos de azar, que sofrem oposição do segmento, e a ampliação da imunidade tributária de organizações religiosas, interlocutores do grupo religioso esperam agora receber o apoio de Bolsonaro a seus pleitos durante a tramitação de projetos dessas searas no Legislativo.

Recém-filiado ao Podemos e de olho na disputa pelo Planalto no ano que vem, Moro convidou o presidente da Associação Nacional dos Juristas Evangélicos (Anajure), Uziel Santana, para coordenar um núcleo de ações e agendas visando a este segmento. Santana diz que se licenciou da Anajure, pois a entidade “não se vincula a partidos políticos”, e deve aceitar formalmente o convite do ex-juiz da Lava-Jato em breve.

O ex-juiz e ex-ministro Sergio Moro (Podemos) em oração com pastores: pré-campanha terá núcleo dedicado a estabelecer pontes com evangélicos Foto: Reprodução

A Anajure foi uma das entidades que apoiou a indicação de Mendonça ao STF. Moro, que havia criticado publicamente Mendonça depois que este o sucedeu no Ministério da Justiça, alegando que ele “nem teve autonomia de escolher o diretor da PF”, elogiou o indicado de Bolsonaro após sua aprovação pelo Senado. Moro citou os “atributos técnicos e formação cristã” de Mendonça, afirmando que o “fortalecimento do combate à corrupção” foi uma das marcas de seu trabalho na AGU.

Aceno ao grupo

Em seu discurso de filiação ao Podemos, em novembro, Moro já havia feito acenos aos evangélicos, ao defender a necessidade de “proteger a família” e dar “uma sólida formação moral”.

— O segmento cristão tem uma agenda que vai para além das pautas de costumes. É só ver que igrejas são fundadoras de instituições como escolas, hospitais, projetos para a população miserável. Essa é uma tônica (de campanha) que tenho conversado com Moro — disse Santana.

No campo da centro-esquerda, embora as cúpulas de grandes igrejas como a Assembleia de Deus de Madureira e a Universal tenham apoiado gestões do PT, a possibilidade de atrair novamente essas lideranças, mais ligadas hoje à pauta de costumes e ao bolsonarismo, é tratada como remota. Nesse contexto, Lula e Ciro têm apostado em adesões pontuais e procurado estabelecer pontes com igrejas menores, além de alas chamadas “progressistas”.

Lula, de vermelho, em encontro com bispo Manoel Ferreira (segundo a partir da direita): ex-presidente tenta apelar à pauta econômica para diminuir resistências Foto: Arquivo Pessoal

Em junho, Lula chegou a se reunir no Rio com o bispo Manoel Ferreira, líder da Assembleia de Deus de Madureira, em um sítio do presidente da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), André Ceciliano (PT). Após o vazamento do encontro, outras lideranças políticas e religiosas ligadas à igreja, e que apoiam Bolsonaro, alegaram que se tratou de uma visita de “cortesia” e que não mudaria o apoio à reeleição do atual presidente.

Lula cogitou uma “carta aos evangélicos”, mas tem se dedicado por ora a encontros virtuais. Em um deles, na semana passada, com lideranças evangélicas simpatizantes do PT, o ex-presidente deu o tom da campanha e focou na defesa de políticas públicas implementadas nos governos petistas que beneficiaram moradores da periferia, áreas com forte presença das igrejas. As pautas identitárias, que desagradam os evangélicos e estiveram presentes na campanha do PT em 2018 , devem ficar de fora do discurso de Lula em 2022.

— A reunião foi importante para mostrar que ele terá uma relação republicana com as lideranças religiosas, da forma que teve no período em que governou o país — afirma o pastor Ariovaldo Ramos, coordenador da Frente de Evangélicos pelo Estado de Direito.

O encontro da semana passada foi voltado a evangélicos que historicamente têm ligação com o PT. A avaliação é que será necessário ampliar esse contato para outros grupos como pastores trabalhistas e evangélicos ligados, por exemplo, à ex-ministra Marina Silva (Rede).

Ciro Gomes (PDT) gravou um vídeo, em junho, no qual afirma que a Constituição e a bíblia "não são conflitantes" Foto: Reprodução

Apesar de resistências ao PT e à esquerda, pesquisas recentes têm apontado que Bolsonaro não abre grande vantagem em relação a Lula entre eleitores que se declaram evangélicos. O pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, diz ter orientado o presidente a se prevenir contra avanços do petista no segmento através da eventual escalação de um vice evangélico na chapa, o que, por ora, não faz parte dos planos do petista nem de outras campanhas.

— Tenho dito ao presidente que ele tem o segmento evangélico ao seu lado, portanto, deve buscar outros campos para somar. Só vejo a hipótese de um vice evangélico, e disse a ele, se Lula também escolher um. Para evitar essa eventual tentativa do PT de tirar casquinha dos evangélicos — disse Malafaia.

Rodada de encontros

Ciro Gomes, que tem feito acenos aos evangélicos nas redes sociais, deve fazer uma rodada de encontros com representantes de igrejas de pequeno e médio porte. Em junho, o pedetista gravou um vídeo segurando lado a lado a Constituição e a bíblia, e defendeu que os livros não são “conflitantes”.

— Não vamos debater temas identitários. Vamos focar em questões como salário, trabalho e transporte — diz o pastor Alexandre Gonçalves, presidente do Movimento Cristão Trabalhista, ligado ao PDT.

Doria durante encontro com evangélicos em 2017: escolhido nas prévias do PSDB, presidenciável planeja citar realizações do governo de São Paulo na área social para fazer conexões com segmento Foto: Reprodução

Doria, escolhido pré-candidato do PSDB nas prévias, começa a montar sua estratégia mirando uma possível conexão com eleitores evangélicos de baixa renda através de programas sociais do governo paulista, como o Bolsa do Povo e o vale-gás, em uma linha parecida com a de Lula.

Embora aliados de Doria acreditem que o Republicanos, nacionalmente, deva apoiar Bolsonaro, o partido da Igreja Universal faz parte da base do tucano no governo de São Paulo. O secretário de Esporte, Aildo Rodrigues, filiado à sigla, é visto como um nome que pode aproximar o governador de lideranças evangélicas.

Autor: Bernardo Mello, Jan Niklas e Sérgio Roxo

Fonte: oglobo.globo.com