Política

Arrecadação soma R$ 146,4 bilhões, tem alta real de 7,25% e bate recorde para agosto

23/09/2021 16h47
Informação foi divulgada nesta quinta (23) pela Receita Federal. No acumulado dos oito primeiros meses de 2021, arrecadação soma R$ 1,199 trilhão.
Arrecadação soma R$ 146,4 bilhões, tem alta real de 7,25% e bate recorde para agosto

Receita Federal informou nesta quinta-feira (23) que a arrecadação de impostos, contribuições e demais receitas federais atingiu R$ 146,463 bilhões em agosto.

O resultado é recorde para meses de agosto, segundo a Receita. A série histórica do órgão, atualizada pela inflação, tem início em 1995. Com isso, o resultado representa a maior arrecadação para o mês em 27 anos.

Na comparação com o mesmo mês do ano passado, quando a arrecadação foi de R$ 136,556 bilhões (valor já corrigido pela inflação), houve aumento real de 7,25%.

A Receita Federal aponta que o resultado está relacionado com a melhora de indicadores econômicos, recolhimento atípico de impostos, além de uma redução nas compensações de tributos por empresas com crédito tributário.

O Fisco apontou, por exemplo, que no mês passado a produção industrial subiu 1,78% e, o setor de serviços, cresceu 17,8%.

Os recolhimentos atípicos somaram aproximadamente R$ 5 bilhões. Já as compensações, que em julho totalizaram R$ 19,718 bilhões, recuaram para R$ 13,509 bilhões no mês passado.

Apesar do crescimento registrado em agosto deste ano, os números da Receita Federal mostram que a arrecadação vem registrando desaceleração nos últimos meses. Em julho, por exemplo, o crescimento havia sido bem maior: de 35,47%. (veja abaixo).

Parcial do ano

 

Nos oito primeiros meses deste ano, ainda segundo dados oficiais, a arrecadação federal somou R$ 1,199 trilhão.

Em valores corrigidos pela inflação, totalizou R$ 1,232 trilhão (novo recorde), o que representa alta real de 23,53% na comparação com o mesmo período do ano passado (R$ 997,785 bilhões).

Segundo a Receita, a alta da arrecadação neste ano pode ser explicada, principalmente, pelos fatores não recorrentes, como recolhimentos extraordinários de 29 bilhões do IRPJ/CSLL na parcial deste ano, contra R$ 2,8 bilhões no mesmo período do ano anterior.

O aumento da arrecadação também aconteceu apesar das compensações feitas pelas empresas em seu pagamento de tributos terem avançado 30% nos oito primeiros meses deste ano, para R$ 136,566 bilhões, contra R$ 104,985 bilhões no mesmo período do ano passado.

Autor: Alexandro Martello, G1

Fonte: g1.globo.com