Política

André Ceciliano amplia pressão junto ao PSB por candidatura ao Senado no RJ

04/08/2022 18h27
O petista disse não haver possibilidade de o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) apoiar dois candidatos ao governo do Rio e que, por ora, o impasse não deve influenciar na prática o apoio a Marcelo Freixo (PSB), mas reiterou que não aceitará dois candidatos à cadeira do Legislativo na mesma chapa
André Ceciliano amplia pressão junto ao PSB por candidatura ao Senado no RJ

O deputado estadual André Ceciliano (PT-RJ) afirmou nesta quinta-feira, 4, que vai persistir no acordo em torno de sua candidatura ao Senado e pressionar o PSB para que Alessandro Molon se retire da disputa. O petista disse não haver possibilidade de o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) apoiar dois candidatos ao governo do Rio e que, por ora, o impasse não deve influenciar na prática o apoio a Marcelo Freixo (PSB), mas reiterou que não aceitará dois candidatos à cadeira do Legislativo na mesma chapa. "Não tem a possibilidade de ter dois palanques", disse.

 

"O presidente Lula já deixou claro que só teremos um palanque no Estado. Ocorre que a política é dinâmica. O presidente Lula entrou nessa discussão nos últimos dez dias. Em Pernambuco, ele conversou com a direção do PSB nacional: 'eu vim aqui cumprir nosso acordo, agora quero que vocês cumpram o acordo de vocês', afirmou Ceciliano, em entrevista ao UOL.

 

Os petistas desejavam que Ceciliano fosse o único candidato ao Senado no palanque de Freixo. Contudo, o deputado federal Alessandro Molon, que é presidente estadual do PSB, contrariou o acordo e não aceitou abdicar de sua candidatura à mesma cadeira. O parlamentar argumenta que tem "mais condições" de derrotar o bolsonarismo no Estado por pontuar melhor nas pesquisas.

Ceciliano afirmou que, a princípio, tinha inclusive o apoio do prefeito Eduardo Paes (PSD), da capital fluminense, para concorrer ao governo do Estado, mas que decidiu ser candidato ao Senado após encontro com Lula e a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, em fevereiro deste ano.

 

Segundo o deputado, o ex-presidente petista anunciou, naquela ocasião, que o acordo fechado com o PSB daria ao PT a prerrogativa de indicar o candidato ao Senado no Rio. "Eu, como tenho juízo, respeito as decisões do meu partido. Existia um acordo", disse.

 

Por outro lado, Ceciliano admitiu que o impasse de sua candidatura ao Senado não deve retirar na prática o apoio de seu partido a Freixo. Segundo ele, mesmo que a aliança formal acabe por ser desfeita, como propôs o diretório estadual da sigla, o candidato da base lulista no Estado continuará sendo o pessebista. "Não tenho dúvida que mais de 80% dos nossos militantes vão de Freixo. Eu vou de Freixo", afirmou. "Mas tendo dois candidatos, não dá para emprestar nosso tempo de televisão ao outro candidato ao Senado. Não dá para utilizar do nosso tempo de televisão para expor outro candidato. Aí é um contrassenso".

Autor: ESTADAO CONTEUDO

Fonte: noticiasaominuto.com.br