Política

Alexandre Garcia: O povo nunca ouviu falar sobre alguma proposta de terceira via

02/12/2021 07h46
Bolsonaro filiou-se ao PL, sob o aplauso do Progressistas e do Republicanos.
Alexandre Garcia: O povo nunca ouviu falar sobre alguma proposta de terceira via

Bolsonaro filiou-se ao PL, sob o aplauso do Progressistas e do Republicanos. O PL ficou 20 deputados maior na Câmara. Antes disso, o PSDB teve sua semana da paixão. Uma via crucis que foi de domingo à aleluia de sábado, quando Doria emergiu das urnas digitais com maioria de 54% dos votos válidos, que significa 1,25% dos filiados. Eduardo Leite voltou para o Rio Grande recebendo aceno de Gilberto Kassab, do PSD, a que se filiara Rodrigo Pacheco.

Arthur Virgílio voltou a Manaus praguejando contra Aécio e os que bolsonarizam o PSDB. Será que valeu a pena ter feito essas desgastantes prévias? Para Doria, valeu evitar decisões da cúpula do partido. Mas os tucanos foram derrotados por si mesmos, concorrendo sozinhos, numa disputa que desgastou o partido perante o eleitor e entre os tucanos de maior. E na mídia em geral, anunciou-se, como de costume, uma solução de terceira via — essa, dificilmente, vai aninhar outro terceirista forte, que aceite ser vice de Doria.

A mosca azul do poder inocula suas vítimas com anticorpos para a humildade e a razão. Os infectados começam a levitar e perdem noção da realidade. O chavão da terceira via faz com que o incauto se olhe no espelho e constate que está diante da alternativa que superará a polarização esquerda-direita, aquele com quem o eleitorado sonha. Os áulicos mais próximos aplaudem — e eles traduzem como o aplauso da população.

Esquece de ir até a esquina e perguntar ao primeiro passante: você me conhece? Vai votar em mim? E vai dançando nas ilusões de partidos que estão com um olho no candidatos, outro nos fundos com que os pagadores de impostos os sustentam.

Enquanto o PSDB subia o calvário com sua cruz, no DEM, Mandetta desistia dessas ideias. Percebeu ter sido um fenômeno passageiro, promovido pelo coronavírus e pelos que promovem os dissidentes. Ao mesmo tempo, o MDB apressava-se em prometer, para este dezembro, o anúncio da candidatura da senadora Simone Tebet, lançada no palanque da CPI, supostamente para evitar no partido o que acontece no PSDB, a bolsonarização.

Para a direção do MDB, melhor mostrar logo candidato antes que seja tarde demais. Ciro, que já havia contratado marqueteiro, tirou o pé do acelerador depois que viu votos com o governo no próprio PDT. Moro continua sua alegre descoberta da política fora dos tribunais, junto com general da reserva cheio de esperança. Ambos com o charme da dissidência.

Fora da ilha dos políticos e jornalistas, o povo continua dividido entre Bolsonaro e Lula. Sabe que vai ter de decidir o que quer e o que não quer. Nunca ouviu falar sobre alguma proposta de terceira via, seja lá o que for isso.

Certa vez, o esperto Paulo Maluf fingiu pedir conselhos ao presidente Figueiredo. O general pôs no bolso do político um papelucho com apenas uma palavra escrita: humildade. Em qualquer atividade, humildade é a mais inteligente e mais produtiva das virtudes.

Não é ter humildade para mostrar. É ser humilde. A corrida presidencial será cruel com os que levitam, vaidosos. Quando a mosca azul pica, só os humildes ficam com os pés no chão. Não se enganarão nem serão enganados. Aí, não haverá sucesso que os derrube.

Autor: Alexandre Garcia

Fonte: correiobraziliense.com.br