Polícia

Talvane será transferido para módulo especial do Baldomero Cavalcanti

19/01/2012 17h48
Talvane será transferido para módulo especial do Baldomero Cavalcanti
O médico e ex-deputado Talvane Albuquerque, condenado a 103 anos e 4 meses de prisão por ter mandado matar a deputada federal Ceci Cunha e três parentes dela em dezembro de 1998, ficará recolhido na Casa de Custódia do Farol até que o módulo especial do presídio Baldomero Cavalcanti fique pronto, o que deve acontecer na próxima semana. A previsão da superintendência de administração penitenciária é que as celas estejam prontas até domingo e no dia seguinte, na segunda-feira (23), Talvane passe a ocupar uma das dez celas do módulo especial, que tinha sido desativado após determinação da Vara de Execuções Penais. O espaço está sendo reformado e deve receber presos que o magistrado “julguem” como envolvidos em “casos especiais”. O médico se enquadraria nessa situação e deve ser o primeiro a ocupar o “novo” módulo. Já Jadielson Barbosa, José Alexandre (o Zé Piaba), Alécio Alves, Mendonça Medeiros devem ficar no Módulo de Segurança inaugurado há poucos meses e que tem por objetivo receber presos envolvidos em crimes de repercussão. Logo após a sentença, os presos fizeram exame de corpo de delito no IML e depois foram encaminhados à Casa de Detenção, o Cadeião, para depois serem levados às outras unidades prisionais. O advogado Welton Roberto recorreu da decisão após a divulgação da sentença, com recurso no Tribunal Regional Federal, em Recife. "Temos vários argumentos para pedir anulação do julgamento. O principal deles é que o julgamento não poderia ter acontecido sem terem se esgotado os recursos", declarou o advogado que aguarda até os próximos 90 dias uma decisão do TRF. A CONDENAÇÃO O ex-deputado Talvane Albuquerque foi condenado a 103 anos e 4 meses de prisão. Ele foi condenado pelo crime de homicídio duplamente qualificado, com os agravantes de motivação torpe - para ter como finalidade o mandato de deputado federal no lugar de Ceci Cunha - e executado sem qualquer chance de defesa das vítimas. Jadiélson Barbosa, Alécio Vasco, José Alexandre dos Santos e Mendonça Medeiros foram condenados ao crime de homicídio triplamente qualificado, com os agravantes de assassinatos cometidos por motivo torpe, consistente na promessa de recompensa; perpetrado sem a possibilidade de defesa para as vítimas e para assegurar a impunidade para outro crime, no caso, o de Ceci Cunha. Alécio Vasco também foi condenado a 87 anos de três meses de cadeia. Segundo o magistrado, o condenado tem ‘disposição para matar’ e já teria aceitado ‘participar de outros homicídios, embora não tivesse conseguido almejar o resultado esperado’. “Zé Piaba” também obteve condenação alta: 105 anos em regime fechado. André Granja afirmou que ele cometeu crime ‘bárbaro’, que tem ‘personalidade perniciosa’, estava imbuído do 'dolo de matar' e que o réu forneceu e testou as armas do crime. Mendonça Medeiros foi condenado a pena menor, 75 anos e sete meses de reclusão em regime fechado. O magistrado declarou que o acusado ‘aceitou integrar o plano de assassinato e ficou responsável em avisar aos demais sobre os passos de Ceci Cunha’, que ele tinha 'pré-disposição para práticas criminosas' e que era desprovido de ‘senso de ética’; po: gazetaweb

Autor: Redacao