Polícia

Quatro crianças e um adolescente em situação de maus-tratos são resgatados de casa em Maceió

07/05/2021 09h34
PM encontrou mãe agressiva e com sinais de uso de drogas e bebida alcoólica. Ela foi levada até a Central de Flagrantes e liberada em seguida; crianças foram encaminhadas para casa de parentes.
Quatro crianças e um adolescente em situação de maus-tratos são resgatados de casa em Maceió

A Polícia Militar atendeu, nesta quinta-feira (6), uma ocorrência envolvendo maus-tratos contra quatro crianças e um adolescente no Conjunto Village Campestre II, em Maceió. Os militares receberam a denúncia de violência doméstica e, ao chegar ao local, encontraram os menores com sinais de maus-tratos.

Dois gêmeos recém-nascidos, duas crianças de 1 e 6 anos e o adolescente de 14 anos estavam com a mãe, que se mostrou agressiva no momento em que a polícia chegou. Ela apresentava sinais de que teria feito uso de drogas e bebida alcoólica.

Segundo relato dos militares, a casa tinha um ambiente totalmente insalubre, sem condições de higiene, com lixo pelo chão, com várias situações de riscos de acidentes como garrafas quebradas e até uma fossa aberta no quintal.

Segundo vizinhos, os pais têm histórico de consumo de drogas e álcool. O pai não estava na residência no momento.

“Ficamos sensibilizados com a situação das crianças. Eram pequenas, estavam muito assustadas e chorando. Tinham muitos objetos quebrados pela casa e a mãe estava extremamente alterada. Tivemos que acalmar as crianças primeiro para depois resolver a ocorrência da melhor forma”, contou o cabo Carlos Eduardo, que comandava a equipe que foi acionada para o caso.

 

O Conselho Tutelar da Região 08 foi acionado e deu o devido encaminhamento à situação. As crianças foram deixadas aos cuidados de familiares que assinaram um termo de responsabilidade junto ao Conselho. A mãe foi encaminha à Central de Flagrantes I e, após depoimento, foi liberada.

 

'Me senti mais no papel de pai, do que militar'

 

Durante a ocorrência, o soldado J. Lima, lotado no Batalhão de Polícia de Guarda (BPGd), pegou uma das crianças no colo e percebeu que o menino apresentava sinais de febre e suava bastante.

 

“Tomei o menino nos braços e logo ele se apegou a mim. Segurou firme no meu colete e não largou mais. Ofereci água e ele tomou tudo. Ele se acalmou e dormiu em meus braços. Me senti mais no papel de pai, do que militar”, relatou.

 

O soldado ingressou na PM em 2016 e tem um filho de 3 anos de idade.

Autor:

Fonte: g1.globo.com