Polícia

Polícia Civil indicia quatro pessoas por compra de votos em Campo Grande, AL

01/10/2021 14h13
Investigações tiveram início a partir de denúncias durante campanha para eleição suplementar que elegeu Téo Higino e Pimenta no dia 12 de setembro.
Polícia Civil indicia quatro pessoas por compra de votos em Campo Grande, AL

A Polícia Civil indiciou nesta sexta-feira (1º) quatro pessoas por compra de votos em Campo Grande, Agreste de Alagoas. Os nomes dos investigados não foram divulgados. O inquérito foi concluído e encaminhado à Justiça Eleitoral.

As investigações foram abertas após um homem denunciar à polícia que recebeu dinheiro de um integrante de uma chapa que disputava a prefeitura do município para que ele e sua família votassem em um determinado candidato para a eleição suplementar, realizada em 12 de setembro, e que elegeu Téo Higino (Republicanos) e Pimenta (Republicanos) como prefeito e vice-prefeito.

À época dessas denúncias, uma operação policial prendeu o então candidato a vice, Pimenta.

A Polícia Civil constatou que o denunciante foi visto na casa de um candidato de uma chapa, mas não revela qual.

Durante as investigações, a moto do denunciante foi apreendida, já que existe a suspeita de que o veículo foi comprado com dinheiro pago pela compra de votos.

Os quatro suspeitos foram indiciados por extorsão, associação criminosa, indução ao falso testemunho e compra de votos.

Eleição de setembro

Téo Higino, do Republicanos, foi eleito prefeito de Campo Grande em eleição suplementar do município. Ele teve 3.270 votos, o que corresponde a 49,83% dos votos válidos, contra 3.261 de Cícero Pinheiro (MDB), 49,70%. Maria Inês Correia (PSD) também estava concorrendo ao cargo e teve apenas 31 votos (0,47%).

O novo pleito foi determinado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em dezembro de 2020 após o pleno indeferir o registro de candidatura de Arnaldo Higino (PP), prefeito reeleito no município, por improbidade administrativa.

Autor: Redação

Fonte: G1