Polícia

Mirela é acusada da morte da estudante Giovanna Tenório

08/08/2012 05h30
caso Giovanna
Mirela é acusada da morte da estudante Giovanna Tenório

A 8ª Vara Criminal da Capital revogou, nesta terça-feira (7), a prisão preventiva de Mirela Granconato Ricciardi, acusada de mandar matar a estudante Giovanna Tenório em junho de 2011. A prisão foi substituída pela medida cautelar de monitoramento eletrônico e a permissão para se deslocar em um raio de apenas 50 metros da residência onde mora.

A decisão, assinada pelo juiz Maurício Brêda, foi comemorada na internet pelo advogado de Mirela Granconato, Raimundo Palmeira. “A atitude de juízes corajosos que julgam pelo processo nos anima a continuar acreditando na Justiça (...) Parabéns Justiça Alagoana!”, publicou Palmeira no Facebook. Ao Tudo Na Hora, ele informou que sua cliente deve deixar o presídio feminino Santa Luzia na manhã desta quarta-feira (8).

O juiz Maurício Brêda ressaltou na decisão que a prisão preventiva poderá voltar a ser decretada se, no curso do processo, “sobrevierem razões que a justifiquem”, principalmente no que se refere ao comparecimento da acusada aos atos do processo.

Lembre o caso

A estudante de fisioterapia Giovanna Tenório desapareceu no dia 2 de junho de 2011, quando foi vista pela última vez durante a tarde, saindo do Cesmac, onde estudava. O seu corpo foi encontrado quatro dias depois, com sinais de asfixia.

Mirela Granconato, 22 anos, é apontada pelo MP como a autora intelectual do crime. Ela é acusada de mandar matar Giovanna por conta de um envolvimento amoroso que a vítima teve com o seu marido, o comerciante Antônio (Toni) de Pádua Bandeira, 22 anos.

As suspeitas sobre Toni e sua esposa se concretizaram a partir do encontro, pela mãe da vítima, de um celular de Giovanna onde ficaram gravadas mensagens ameaçadoras enviadas a ela por Mirela, por causa do namoro com Toni. Um terceiro acusado, o caminhoneiro Luiz Alberto Bernardino, também está preso sob suspeita de autoria material do crime. Com ele, foi encontrado um celular de Giovanna.

Autor: Acássia Deliê

Fonte: tudonahora