Polícia

Justiça condena acusados de matar motorista por aplicativo e ocultar o corpo em 2019

22/06/2022 07h43
Rayniery Torres Bianchi tinha 35 anos e foi atacado durante uma corrida que aceitou do Conjunto Santa Maria para o bairro São Jorge
Justiça condena acusados de matar motorista por aplicativo e ocultar o corpo em 2019

A Justiça de Alagoas condenou, nessa segunda-feira (20), dois acusados de matar o motorista por aplicativo Rayniery Torres Bianchi, de 35 anos, crime ocorrido em 27 de junho de 2019, em Maceió. A investigação conduzida, à época, pela Delegacia de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP) e Divisão Especial de Investigação e Capturas (DEIC), apontou a dupla como sendo a responsável pela autoria material.

Ewerton do Nascimento Marques foi condenado a 19 anos, seis meses e nove dias de prisão, em regime fechado, além de pagamento correspondente a 122 dias de multa no valor de 1/30 do salário-mínimo vigente no dia em que o assassinato foi registrado. Já para Luan Vitor Bastos da Silva, foi fixada pena de 18 anos, seis meses e nove dias de reclusão, igualmente em regime fechado, assim como multa de 100 dias de 1/30 do salário-mínimo.

 

Na sentença, a juíza Laila Kerckhoff dos Santos, do 2º Tribunal do Júri desta Capital, proferiu a condenação dos dois por homicídio qualificado, ocultação de cadáver e furto qualificado, todos estes crimes tipificados no Código Penal Brasileiro. Ewerton ainda foi condenado por corromper ou facilitar a corrupção de menor (Luan era adolescente). Eles ficarão recolhidos no Presídio de Segurança Máxima da capital por determinação da magistrada.

O CASO

O motorista do aplicativo 99-táxi Rayniery Torres Bianchi desapareceu no dia 27 de junho de 2019, por volta das 17h, quando foi fazer uma corrida para uma cliente do trajeto Conjunto Santa Maria para o bairro São Jorge.

 

A Polícia Civil constatou que Ewerton e Luan planejaram a morte do trabalhador dois dias antes do fato e o motivo seria porque a vítima estaria “paquerando” L.I.S.S. (à época uma adolescente), que seria namorada de Ewerton. Eles foram presos dias depois, durante uma operação deflagrada pela DHPP e pela Divisão Especial de Investigação e Capturas, coordenada pelos delegados Fábio Costa, Eduardo Mero e Tacyane Ribeiro, e confessaram o envolvimento na trama.

 

“Infelizmente, foi mais uma vítima de violência que era motorista por aplicativo. Eles continuam sendo alvos de criminosos nos dias atuais", destacou o delegado Fábio Costa.

 

A perícia confirmou que Rayniery foi assassinado com um golpe conhecido por “garrote”, que, segundo a polícia, foi dado por Luan com o auxílio de Ewerton.

 

A DHPP apontou que, em seguida, a dupla ocultou o cadáver no canavial localizado por trás do Conjunto Jardim Tropical, Village Campestre II. O corpo do motorista foi encontrado dias depois.

O veículo da vítima, de marca Peugeot 207, de placa 0928, foi encontrado um dia após o desaparecimento, no Conjunto Saúde, no bairro Cidade Universitária.

*Com informações do delegado Fábio Costa

Autor: Jobison Barros*

Fonte: gazetaweb.globo.com