Polícia

Defesa de Toni Bandeira ingressa com recurso no TJ segunda-feira

20/01/2012 15h25
Defesa de Toni Bandeira ingressa com recurso no TJ segunda-feira
A defesa do empresário Toni Bandeira vai recorrer ao Tribunal de Justiça da decisão proferida pelo Juízo de 1º grau que manteve a prisão do acusado de envolvimento na morte da universitária Giovanna Tenório. O jovem está detido há quatro meses no cadeião da Intendência Penitenciária de Alagoas e usa tornozeleira nas ocasiões em que precisa se ausentar da cadeia. De acordo com o advogado Henrique Mousinho, a prisão de Toni Bandeira está fora dos critérios previstos na lei federal nº 12.403/10, sancionada para desafogar os presídios brasileiros. “Ela criou vários requesitos para não deixar o acusado na prisão e 11 que são impostos para aquelas pessoas que já estão condenadas e devem permanecer presas. O Toni, apesar de não ter sido denunciado ainda, já figura como réu na denúncia do Ministério Público Estadual e isso está errado”, argumentou. “Uso de tornozeleira, impedimento de sair de casa após às 22h e proibição de frequentar bares e restaurantes são critérios para presos já sentenciados, o que não é o caso do meu cliente. Sequer existe um processo formalizado, ele não é réu”, detalhou Mousinho. Recurso pronto Segundo o advogado, o juiz titular da 8ª Vara Criminal da Capital, João Dirceu, indeferiu o pedido solicitado pela defesa anterior, que reivindicou a liberdade de Toni Bandeira. “Só após a decisão do magistrado é que pudemos fazer alguma coisa. Vamos ingressar com um recurso junto ao Tribunal der Justiça já na próxima segunda-feira”, informou Henrique Mousinho. Comerciante foi solto em agosto passado Toni Bandeira havia sido liberado pela Justiça no dia 28 de agosto último. Naquela data, ele e o caminhoneiro Luís Alberto Bernadino da Silva - também acusado de envolvimento na morte da universitária Giovanna Tenório -, foram liberados do sistema prisional após comparecerem ao Fórum do Barro Duro e assinar um Termo de Compromisso perante o juiz João Dirceu, da 8ª Vara Criminal da Capital. Os dois se comprometeram em cumprir medidas cautelares, dentre elas, recolherem-se a partir das 22h, bem como se apresentarem, quinzenalmente, à Justiça. No dia 09 de setembro ele começou a usar a tornozeleira. O equipamento tem a capacidade de monitorar os dois por 24 horas e, com o uso dos aparelhos, a Justiça pôde controlar se, de fato, os acusados estavam chegando em casa no horário determinado. O caso Giovannna Toni Bandeira e a esposa, Mirella Granconato, foram presos, no dia 28 de junho, por Agentes da Seção Anti-Sequestro (SAS) e da Divisão Especial de Investigação e Capturas (Deic) da Polícia Civil. Eles são acusados da autoria intelectual da morte da estudante universitária Giovanna Tenório. A vítima teria se envolvido com Toni, o que provocara o ciúme de Mirella. A jovem foi encontrada morta no dia 06 de junho, em um canavial da Fazenda Urucum, zona rural de Rio Largo, região metropolitana de Maceió. O laudo do IML comprovou que ela foi assassinada por estrangulamento. Por: Gazetaweb

Autor: Redacao