Notícias

Porque entendemos ser a hora de Penedo e também de Guilherme Lopes

23/11/2021 09h24
Frase de um general alemão na Segunda Guerra Mundial: "somente o Sol inicia e termina o dia produzindo energia sem receber salários!". Quando Guilherme me pagar todos saberão.
Porque entendemos ser a hora de Penedo e também de Guilherme Lopes

Perguntaram-me se este portal de notícias era pago por Guilherme Lopes para fazer a campanha dele para deputado estadual? Respondi: “e já existe campanha?” As pessoas pensam que opinar sobre política tem que necessariamente ser uma opinião paga. Nem sempre.

Afirmaram da tribuna da câmara de vereadores que “um site era pago para bater no vereador”; o mesmo vereador sempre foi elogiado por nossa redação sem nunca ter pagado um R$ 1,00 sequer por doze anos de seus mandatos. Mas são coisas da política.

Agora, o que de fato enxergamos é que Penedo quando teve Hélio Lopes como deputado estadual, a cidade e o município teve vez voz nos governos Divaldo Suruagy e Guilherme Palmeira. De lá vieram incontáveis apoios para se consolidar a Faculdade de Formação de Professores de Penedo(FFPP) – atual Fundação Raimundo Marinho – reconhecimento de cursos e até a criação da Lei José Tavares que dava direito ao enquadramento dos professores já formado pela FFPP no Nível V automaticamente pela Secretaria de Educação do Estado, Lei esta assinada durante inauguração da quadra de esportes da faculdade.

Hélio Lopes trouxe a Creche Vovó Judith, antigas instalações do Jardim Infantil, e todas as vezes que Penedo foi contemplado com vários benefícios concedidos pelo governo do estado, estava lá o dedo de Hélio Lopes. Até os três laboratórios do então Colégio Estadual Comendador José da Silva Peixoto – Física, Química e Biologia – da gestão Guilherme Palmeira foi ato do deputado Hélio Lopes.

Alcides Andrade e Moacir Andrade foram deputados de oposição aos governos Divaldo Suruagy e Guilherme Palmeira, e por isso não conseguiam nada ou quase nada para Penedo. Mesmo considerando-se que Moacir Andrade foi e sempre será o maior “prefeito Ad hoc” que Penedo já teve quando da sua passagem pelo governo do estado.

E é puxando pela analogia dos fatos que entendemos ser o momento muito mais que propício para o neto de Hélio Lopes fazer frente à convocação de dezenas de famílias penedenses que já o convocam para resgatar a cadeira na Assembleia Legislativa do Estado utilizada honrosamente pelo saudoso Hélio Lopes.

Para quem ainda não sabe, a Orla do bairro do Barro Vermelho, quem conseguiu a indenização das casas da Rua dos Pescadores, aquele cais de proteção contra enchentes, foi o deputado Hélio Lopes na década de 70.

Guilherme Lopes tem se destacado como gestor da Saúde da 6ª Região que abrange os municípios de Jequiá da Praia, Coruripe, Feliz Deserto, Piaçabuçu, Penedo, Igreja Nova, Porto Real do Colégio e São Brás, tendo enfrentado a maior crise da pandemia do Covid-19 como referência estadual e nacional dentro dos parâmetros das cidades que coordena.

Pelo histórico dos últimos quarenta anos de Penedo sem deputado estadual, e pela forte condição de Guilherme arregimentar forças dentro de fora do município de Penedo é que acreditamos ser a hora de Penedo e de Guilherme Lopes.

 

Desta vez Penedo não pode perder a chance real de eleger um representante para a região do baixo São Francisco. 

Autor: Raul Rodrigues

Fonte: correiodopovo-al.com.br