Mundo

Tradição na Marinha dos EUA, beijo de desembarque é dado pela primeira vez por um casal de lésbicas

23/12/2011 06h38
Tradição na Marinha dos EUA, beijo de desembarque é dado pela primeira vez por um casal de lésbicas

Duas marinheiras trocaram o cobiçado “primeiro beijo” no píer depois que elas retornaram de 80 dias no mar, na última quarta-feira (20). A troca de carinho, uma tradição da Marinha dos EUA, foi a primeira entre um casal gay desde a revogação da regra do “don’t ask, don’t tell” (“não pergunte, não fale”) das Forças Armadas dos EUA. Marissa Gaeta, de Placerville, Califórnia, desceu do USS Oak Hill e dividiu um beijo rápido com sua companheira Citlalic Snell, de Los Angeles. Gaeta, 23, usava seu uniforme de gala da Marinha, enquanto Snell, 22, usava uma jaqueta de couro preta, jeans lenço e azul. A multidão gritou e agitou bandeiras em volta delas.Duas marinheiras trocaram o cobiçado “primeiro beijo” no píer depois que elas retornaram de 80 dias no mar, na última quarta-feira (20). A troca de carinho, uma tradição da Marinha dos EUA, foi a primeira entre um casal gay desde a revogação da regra do “don’t ask, don’t tell” (“não pergunte, não fale”) das Forças Armadas dos EUA. Marissa Gaeta, de Placerville, Califórnia, desceu do USS Oak Hill e dividiu um beijo rápido com sua companheira Citlalic Snell, de Los Angeles. Gaeta, 23, usava seu uniforme de gala da Marinha, enquanto Snell, 22, usava uma jaqueta de couro preta, jeans lenço e azul. A multidão gritou e agitou bandeiras em volta delas.Ver em tamanho maiorBeijo gay na Marinha dos EUA

Foto 2 de 3 - Marissa Gaeta (esq.) e sua namorada Citlalic Snell se beijam, em Virgínia, na última quarta-feira (22) Brian J. Clark/The Virginian-Pilot/ AP "É algo novo, isso é certo", Gaeta disse a repórteres após o beijo. "É bom poder ser eu mesma ". Há pouca diferença entre este beijo de inúmeros outros, quando um navio da Marinha atraca em seu porto de origem após uma longa jornada. Nem Marinha nem o casal tentou chamar a atenção para o que estava acontecendo, e muitos espectadores à espera do desembarque de seus entes queridos estavam ocupados com conversas entre si. Snell sorriu quando ela se aproximou de Gaeta e elas rapidamente foram rodeadas por um pequeno grupo de equipes de televisão locais e fotógrafos, que não tinham conhecimento sobre o que ia acontecer até momentos antes. "Ela me contou sobre o primeiro beijo dias atrás e eu meio que me apavorei, em um sentido positivo. Mas é claro que estou um pouco nervosa, você sabe", disse Snell. David Bauer, o comandante do USS Oak Hill, disse que a reação da tripulação ao saber que foi selecionada para ter o primeiro beijo gay entre marinheiras foi positiva. "Vai acontecer e a equipe vai se divertir. Vamos seguir em frente, e isso não vai ofuscar as grandes coisas que essa equipe tem realizado nos últimos três meses", disse Bauer. O navio retornou à base após uma missão de 80 dias na América Central. A tripulação de mais de 300 pessoas participou de exercícios envolvendo os militares de Honduras, Colômbia Guatemala e Panamá.Oficiais da Marinha dos Estados Unidos dão o primeiro beijo gay Vídeo com áudio original em inglês As duas mulheres são controladoras, que mantêm e operam os sistemas de armas a bordo dos navios. Elas se conheceram como colegas de quarto na escola de formação e namoram há dois anos, o que segundo elas era difícil sob o regime do "não pergunte, não fale". A revogação da regra, em que gays podem servir nas Forças Armadas dos EUA, desde que eles não reconheçam abertamente sua orientação sexual, entrou em vigor em setembro. "Nós tivemos que esconder [que somos gays] muito no começo", disse Snell. "Muita gente não nos apoiava no começo, mas podemos, finalmente, ser honestas sobre o que somos em nosso relacionamento, então eu estou feliz". Funcionários da Marinha disseram que foi a primeira vez na história que um casal do mesmo sexo foi escolhido para o primeiro beijo após o retorno de um navio. Marinheiros e seus entes queridos fizeram uma rifa de US$ 1 para a oportunidade. Gaeta disse que comprou US$ 50 de bilhetes, um número que ela disse ser modesto em comparação com os montantes que alguns outros marinheiros e seus entes queridos tinham comprado. O dinheiro foi usado para financiar uma festa de Natal para os filhos de marinheiros. Gaeta disse que todos de seu comando apoiaram sua escolha. Snell disse que acredita essa não será a última experiência do tipo para gays e lésbicas nas forças armadas. "Eu acho que é algo que vai abrir muitas portas, não apenas para o nosso relacionamento, mas para todos os outros relacionamentos de gays e lésbicas que estão no serviço militar agora", disse.     Uol

Autor: Redacao I