Mundo

Paramédico é queimado vivo em ataque homofóbico na Letônia

03/05/2021 19h26
Homem foi vítima no país que teima em não reconhecer e aceitar sua comunidade LGBT
Paramédico é queimado vivo em ataque homofóbico na Letônia

Um paramédico homossexual foi morto em um ataque homofóbico, na Letônia.

Normunds Kindzulis, de 29 anos, morreu depois de ter sido atingido por um produto inflamável. O homem ficou com queimaduras em 85% do corpo e acabou não resistindo.

Um outro homem, amigo de Normunds, sofreu também ferimentos quando tentou ajudar o amigo.  E teria sido este a denunciar o crime às autoridades, revelando que se tratava de um ataque motivado pela sexualidade da vítima.

A vítima foi queimada viva na porta de casa e o agressor é um vizinho que não concordava com os ideais da vítima, ativista LGBT (lésbicas, gays, transexual).

Normunds foi atendido no hospital mas segundo informou o European Pride Organisers Association (EPOA) acabou morrendo cinco dias depois. 

"Normunds Kindzulis, vítima de ataque homofóbico na Letônia na semana passada, sucumbiu aos seus ferimentos. Os nossos mais sinceros pêsames ao seu parceiro e família e a toda a nossa comunidade na Letônia", escreveram nas redes sociais.

O crime aconteceu em Tukums, na Letônia, um país que resiste em reconhecer pessoas LGBT, e governado por partidos conservadores. 

Autor: NMBR

Fonte: noticiasaominuto.com.br