Mundo

Facebook investirá US$ 50 milhões para construir 'metaverso'

28/09/2021 05h39
A empresa de Mark Zuckerberg afirmou que quantia será usada ao longo de dois anos para criar tecnologias 'inclusivas e empoderadoras'
Facebook investirá US$ 50 milhões para construir 'metaverso'

O Facebook anunciou nesta segunda-feira (27) que destinará US$ 50 milhões (cerca de R$ 270 milhões) em uma parceria para construir o chamado metaverso, uma espécie de universo digital que poderá ser explorado por pessoas que não estão no mesmo espaço físico.

A empresa de Mark Zuckerberg tem investido em realidade virtual e realidade aumentada. Em agosto, a subsidiária Oculus anunciou uma versão de testes de um ambiente criado para simular reuniões presenciais.

No comunicado mais recente, o Facebook comparou a criação de um universo digital com o início da internet. "Este não é um produto que uma companhia poderá desenvolver sozinha. Assim como a internet, o metaverso existe independentemente de o Facebook estar lá ou não", disse a empresa.

 

"E não será desenvolvido da noite para o dia. Muitos destes produtos se tornarão realidade nos próximos 10 a 15 anos", adiantou.

A companhia indicou que o objetivo do investimento é garantir que o metaverso seja desenvolvido de forma responsável. A empresa afirma que a quantia será usada ao longo de dois anos para que as novas tecnologias sejam "inclusivas e empoderadoras".

"Por meio deste fundo, vamos colaborar com parceiros na indústria, grupos de direitos civis, governos, organizações sem fins lucrativos e instituições acadêmicas para determinar como construir essas tecnologias de forma responsável", afirmou a companhia.

Segundo o Facebook, a criação do metaverso contará com especialistas em uma iniciativa com foco em quatro áreas principais: oportunidade econômica; privacidade; segurança e integridade; e equidade e inclusão.

Os parceiros no novo fundo do Facebook incluem a Organização dos Estados Americanos (OEA), a Howard University, dos Estados Unidos, a Universidade Nacional de Seul, na Coreia do Sul, e a Universidade de Hong Kong.

Autor:

Fonte: G1