Mundo

Após manobras de Putin, partido governista sai na frente nas eleições legislativas na Rússia

20/09/2021 07h20
Resultados preliminares mostram sigla pró-Putin com quase 45% dos votos, resultado mais fraco do que última votação, em 2016
Após manobras de Putin, partido governista sai na frente nas eleições legislativas na Rússia

MOSCOU — O partido Rússia Unida, que apoia o presidente Vladimir Putin, deve manter a maioria das 450 cadeiras da Duma, a Câmara Baixa do Parlamento, apesar de ter perdido terreno para os rivais, indicam resultados preliminares. Nas eleições legislativas realizadas entre sexta-feira e domingo, a legenda conquistou 45% dos votos, anunciou a Comissão Eleitoral Central com 33% das cédulas apuradas. Em segundo lugar, o Partido Comunista obteve 22%, seguindo pelo nacionalista LDPR com 9%.

Embora a caminho da vitória, a estimativa de boca de urna de que a sigla governista não deve passar muito dos 45% dos votos representa um resultado mais fraco do que o pleito de 2016, quando obteve 54%. Desde então, o partido enfrenta uma queda na popularidade por causa da crise econômica, da piora das condições de vida e das acusações de corrupção feitas pelo crítico do Kremlin Alexei Navalny, preso desde janeiro

A legenda também teve de lidar com uma campanha de votação tática organizada por aliados de Navalny. Sob essa estratégia, conhecida como “Voto Inteligente”, encorajou-se o voto útil no candidato com mais chances de vencer o nome do Rússia Unida em um determinado distrito nas votações majoritárias. Em muitos casos, os candidatos com mais chances eram do Partido Comunista. Mas desde que a votação começou, Google, Apple e Telegram limitaram o acesso à campanha opositora, levando ativistas a acusá-los de ceder à pressão do governo.

— Estou sempre contra o Rússia Unida — disse Roman Malakhov, que votou nos comunistas. — Eles não fizeram nada de bom.

Críticos do Kremlin dizem que a votação é uma farsa por causa da repressão pré-eleitoral, que incluiu veto a candidatura de integrantes do movimento de Navalny, prisão de opositores e o cerco a organizações não governamentais e de mídia vistas como hostis por autoridades do governo. Além disso, várias regras eleitorais foram alteradas nos últimos anos, incluindo folgas a quem fosse às urnas, a adoção do voto por correio e de uma plataforma que permite a votação pela internet, cuja transparência é questionada dentro e fora do país.

A votação, realizada durante três dias, também foi marcada pela apatia generalizada do eleitor, com números oficiais mostrando um comparecimento de 47%.

— Não vejo sentido em votar — disse uma cabeleireira de Moscou que se identificou como Irina. — De qualquer maneira, está tudo decidido por nós.

Entretanto, a provável vitória do Rússia Unida deve ser usada pelo Kremlin como prova de amplo apoio a Putin, que está no poder, como presidente ou premier, desde 1999 e continua uma figura popular. Muitos russos consideraram que ele se posiciona contra o Ocidente e vem restaurando o orgulho do país.

Atualmente, o Rússia Unida tem quase três quartos das 450 cadeiras da Duma, um domínio que ajudou o Kremlin a aprovar reformas constitucionais que permitiram que Putin pudesse concorrer a mais dois mandatos como presidente, podendo permanecer no poder até 2036.

Autor: O Globo e agências internacionais

Fonte: oglobo.globo.com