Geral

Téo Vilela deverá eleger novo prefeito de Maceió

08/05/2012 01h39
Téo Vilela deverá eleger novo prefeito de Maceió
O governador Téo Vilela deverá mesmo conseguir o futuro prefeito de Maceió. A decisão sairá entre os nomes de Rui Palmeira(PSDB), Jeferson Moraes(DEM) ou Givaldo Carimbão(PSD). Esta afirmativa tem por base a declaração do desembargador Orlando Manso ao afirmar que mesmo não presidindo as eleições de 07 de outubro o nome do pré-candidato Ronaldo Lessa não passará pelo crivo da justiça. Assim sendo, os três nomes mais fortes que aparecem nas pesquisas são os dos parlamentares acima citados, todos ligados a Téo. A lógica do título da matéria fundamenta-se na tese que dentre os três mais votados serão Rui Palmeira, Jeferson Moraes e Givaldo Carimbão que fazem parte da base do governo Téo, mesmo que me partidos diferentes. Após as declarações do desembargador só cego pode achar que não fará o próximo prefeito de Maceió. Segue na íntegra entrevista de Orlando Manso ao portal tudo na hora. O desembargador Orlando Manso confirmou que não vai mesmo presidir as eleiçõesem Maceió. Mas explicou que a motivação não é o processo por calúnia que ele moveu contra o ex-governador Ronaldo Lessa, que já foi condenado em duas instâncias. O processo aguarda apenas a manifestação do Superior Tribunal de Justiça – segundo garantiu o presidente do TRE de Alagoas. Qual o motivo, então, desse impedimento? Manso disse que pelo menos um parente direto dele vai disputar o voto do eleitorado da capital, o que o impede de comandar a eleição em Maceió. Mas o desembargador foi além. Sobre Lessa, ele afirmou: “Acho que ele não poderá ser candidato”. O motivo: exatamente o processo movido por ele, em que o ex-governador foi condenado a pena privativa de liberdade, de um ano e quatro meses, transformada  em serviços prestados à comunidade – além de ficar obrigado a se apresentar nos finais de semana à casa do albergado. O Tribunal de Justiça já confirmou a sentença, mas Lessa ainda aguarda o resultado do recurso apresentado ao STJ. Lembrando que há outra condenação pecuniária, no valor de R$ 300 mil. No entendimento do desembargador – que Lessa disse, na semana passada, querer ver afastado das eleições em Maceió -, apesar de ser uma ação privada, a que foi movida por ele, se a condenação tiver trânsito em julgado o ex-governador estaria inelegível. Não é o que pensam os advogados de Lessa. Mas vem barulho por aí. Por: Correio do Povo, com informações do tudonahora

Autor: Raul Rodrigues