Geral

Sabatina de Mendonça é marcada por Alcolumbre

25/11/2021 08h34
Após mais de quatro meses no Senado, votação de indicação do ex-ministro da Justiça para a corte deve ocorrer na próxima semana
Sabatina de Mendonça é marcada por Alcolumbre

Depois de mais de quatro meses de resistência, o presidente da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), marcou a sabatina do exministro André Mendonça, indicado por Jair Bolsonaro para uma vaga no Supremo Tribunal Federal.

A sabatina e a votação deverão ocorrer na próxima semana.

brasília Após mais de quatro meses de resistência no Senado, o presidente da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), marcou a sabatina do ex-ministro da Justiça André Mendonça, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para uma vaga no STF (Supremo Tribunal Federal).

A sabatina e a votação da indicação de Mendonça na CCJ vão acontecer na próxima semana, durante o chamando esforço concentrado convocado no Senado para votar indicações pendentes na Casa para diferentes cargos.

O presidente da comissão informou que um calendário será elaborado até o início da próxima semana, para que todos os nomes pendentes de análise na CCJ sejam efetivamente sabatinados.

“Vou fazer a leitura de todas as mensagens [presidenciais] que estão aqui. Vou seguir integralmente a decisão do presidente [do Senado] Rodrigo Pacheco de, no esforço concentrado, com o quórum adequado, fazermos as sabatinas de todas as autoridades que estão indicadas na comissão”, afirmou o senador.

Alcolumbre também disse que recebeu sete pedidos de senadores para serem relator da indicação de Mendonça. Acrescentou que vai realizar uma reunião com os interessados e membros da comissão nos próximos dias e que então tomará uma decisão.

A senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) despontou como favorita para assumir a relatoria. Alguns senadores que haviam anunciado a intenção de ocupar o posto chegaram a dizer que abririam mão do pleito em favor da parlamentar.

O senador pelo Amapá vinha sofrendo pressões para pautar a sabatina de Mendonça, apesar do alívio proporcionado por uma recente decisão do STF, que garantiu a ele a prerrogativa para agendar as análises dentro da comissão.

Por outro lado, cresceu a pressão sobre seu aliado, Rodrigo

Pacheco, que marcou o esforço concentrado e vinha falando que tinha a “expectativa” de que Alcolumbre realizaria as sabatinas pendentes.

Ao mesmo tempo, o presidente da CCJ também vinha repetindo nos últimos meses que apenas pautaria a sabatina de Mendonça se tivesse votos suficientes para derrubar sua indicação. Como a Folha mostrou, ele tem dito que conta com 49 votos contra o indicado de Jair Bolsonaro —de um total de 81 senadores.

Nos bastidores, comentase que o principal motivo pelo qual Alcolumbre vinha segurando a sabatina de Mendonça é o fato de ter perdido o controle sobre a distribuição de emendas.

Além disso, ele gostaria de ver substituída a indicação do ex-ministro da Justiça pela do atual procurador-geral da República, Augusto Aras. Mendonça é o nome “terrivelmente evangélico” que Bolsonaro havia prometido indicar para uma vaga no STF.

Alcolumbre fez nesta quarta-feira (24) um longo discurso sobre o assunto, rebatendo a acusação de que havia tornado inoperante alguns órgãos, justamente por não agendar sabatinas na comissão.

Citou como exemplo o CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público), afirmando que as sabatinas que lhe cabiam haviam sido feitas, mas que o plenário do Senado ainda não realizou as votações previstas.

O ex-presidente do Senado também afirmou que tinha preferência por realizar primeiramente as sabatinas para cargos com mandatos, e não para vagas vitalícias, como as indicações para tribunais.

Ele citou especificamente as indicações de Mendonça, para o STF, e também para uma vaga no TST (Tribunal Superior do Trabalho), cuja indicada é a desembargadora Morgana de Almeida Richa.

“Pessoalmente, se tivesse que escolher, eu optaria por colocar todos os cargos nesse momento, os cargos que dispõem de mandato, e não os vitalícios”, afirmou.

Alcolumbre também comentou a pressão que vinha recebendo, inclusive ataques de ódio em virtude da sua religião. Respondeu as críticas de que ele próprio poderia estar perseguindo um evangélico. “Eu sou judeu. Como que eu estaria perseguindo um evangélico?”, questionou.

Alguns senadores elogiaram a iniciativa, mas aproveitaram para criticar a demora para o agendamento da sabatina. Esperidião Amin (PP-SC) se exaltou e bateu na mesa, afirmando que Alcolumbre, como presidente da CCJ, é “um súdito do regimento [do Senado], mas é um súdito rebelde”.

Alguns senadores, como Simone Tebet (MDB-MS) e Carlos Portinho (PL-RJ), pediram uma solução mais rápida sobre o calendário das sabatinas.

Um dos temores é que a sabatina de Mendonça fique para quinta-feira (2), o último dia do esforço concentrado, correndo o risco de ser adiada, caso as oitivas anteriores se prolonguem.

O agendamento da análise do nome de Mendonça acontece um dia após reunião na residência oficial do Senado entre Alcolumbre, o presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e o líder do governo, senador Fernando Bezerra (MDB-PE).

Pacheco informou no mesmo dia que havia recebido uma sinalização positiva de que Alcolumbre pautaria a sabatina de Mendonça durante o esforço concentrado.

O senador pelo Amapá vem sendo cobrado duramente por evangélicos, por membros do STF e por outros senadores para destravar a sabatina do ex-ministro da Advocacia-Geral da União.

A cobrança acabou respingando em Pacheco, que passou a ser pressionado para levar a análise diretamente para o plenário do Senado.

Durante sessão plenária na semana passada, alguns senadores, como o líder do Podemos, Álvaro Dias (PodemosPR), chegaram a ameaçar uma grande paralisação dos trabalhos do Senado se a sabatina de Mendonça não fosse realizada pela CCJ.

Autor: Renato Machado e Thiago Resende

Fonte: pressreader.com/Folha de S.Paulo