Geral

Roberto Jefferson deixa hospital e é levado de volta para Bangu

14/10/2021 17h24
Ex-deputado e presidente do PTB foi levado de volta ao presídio por policiais federais.
Roberto Jefferson deixa hospital e é levado de volta para Bangu

O ex-deputado e presidente do PTB, Roberto Jefferson, deixou o hospital onde esteve internado no Rio e, na tarde desta quinta-feira (14), foi escoltado por policiais federais de volta ao Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, na Zona Oeste.

Na terça-feira (13), o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu Jefferson deveria deixar o hospital Samaritano da Barra da Tijuca, também na Zona Oeste, e voltar para a cadeia. Moraes determinou que o ex-deputado só voltasse caso recebesse alta médica.

A alta hospitalar de Jefferson foi dada no último dia 6, após ele passar 35 dias internado. A princípio, ele foi hospitalizado para tratar uma infecção urinária e, depois, também passou um procedimento de cateterismo.

Desde então, o presidente do PTB aguardava uma decisão do STF para saber se voltaria para cadeia ou iria para prisão domiciliar.

 

Prisão

 

Jefferson teve a prisão preventiva (por tempo indeterminado) decretada em 13 de agosto. A autorização partiu do ministro Alexandre de Moraes dentro do chamado "inquérito da milícia digital", que é uma continuidade do inquérito dos atos antidemocráticos.

Em setembro, o ministro autorizou que Jefferson deixasse a prisão para receber tratamento médico e manteve o uso de tornozeleira eletrônica do ex-deputado.

Na última quinta-feira (7), o Hospital Samaritano da Barra cobrou da Justiça o envio de agentes da Polícia Federal para monitorar o ex-deputado argumentando "não ter mais condições de suportar os ônus financeiro e humano decorrentes dessa vigilância privada 24 horas por dia".

 

Denúncia

 

Em agosto, a Procuradoria-Geral da República (PGR) denunciou Jefferson por incitação ao crime, ameaça às instituições e homofobia.

Na denúncia, a PGR listou sete declarações em que o ex-deputado atacou instituições, e afirma que ele praticou condutas que constituem infrações previstas no Código Penal, na Lei de Segurança Nacional e na lei que define os crimes resultantes de preconceito de raça ou de cor.

Inicialmente, a PGR tinha se manifestado contra a prisão de Jefferson, argumentado que a conduta dele estava protegida pela liberdade de expressão. Agora, a própria PGR vê crime nas atitudes do ex-deputado e defende que ele fique em prisão domiciliar.

A defesa de Jefferson nega as acusações e criticou a denúncia da PGR. Segundo os advogados, "o que há, em verdade, é uma colcha de retalhos de manifestações midiáticas do defendente que em nada representam a prática de qualquer espécie de crime".

Autor:

Fonte: g1.globo.com