Geral

Mendonça aposta em desgaste político de Alcolumbre para ganhar a vaga no Supremo

24/09/2021 17h17
Presidente da CCJ, Davi Alcolumbre (DEM-AP), tem barrado tramitação da indicação de André Mendonça para o STF
Mendonça aposta em desgaste político de Alcolumbre para ganhar a vaga no Supremo

Depois de mais de dois meses tentando convencer o senador Davi Alcolumbre (DEM-AP) a marcar a data da sabatina que vai avaliar sua indicação para a vaga de ministro do Supremo Tribunal Federal, o ex-ministro da Justiça e ex-advogado geral da União André Mendonça mudou de estratégia. 

De acordo com seus aliados, Mendonça agora perdeu a pressa, porque avalia que, quanto mais o tempo passa, mais Alcolumbre se desgasta politicamente no Senado e mais fácil fica a sua aprovação. 

A quem pergunta quanto tempo ele pode esperar, Mendonça costuma responder que tem um ano e meio – ou seja, até o final do mandato de Jair Bolsonaro. 

O presidente da República Bolsonaro indicou seu ex-ministro "terrivelmente evangélico" para o STF em julho, na vaga aberta com a aposentadoria de Marco Aurélio Melo. Mas Alcolumbre, que por ser presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado é quem tem  a prerrogativa de marcar a sabatina para avaliar Mendonça, se recusa a fazê-lo

Em público, o senador pelo Amapá não explica a razão da resistência, mas nos bastidores não esconde que seu candidato ao Supremo é o procurador-geral da República, Augusto Aras.

A mais recente justificativa do presidente da CCJ é que a questão agora foi judicializada – argumento um pouco esdrúxulo, uma vez que a judicialização se dá pelo fato de que os senadores Alessandro Viera (Cidadania-SE) e Jorge Kajuru (Podemos-GO) entraram com um mandado de segurança no STF justamente para obrigar Alcolumbre a marcar a sabatina.

 

Na terça-feira, o ministro Ricardo Lewandovski deu a Alcolumbre prazo de dez dias para explicar a demora no agendamento. 

Na quarta-feira, inclusive, Vieira e Alcolumbre discutiram na CCJ depois que o senador do Cidadania pediu que o presidente da comissão indicasse "um único motivo republicano" para não marcar a sessão.O presidente da CCJ acusou o colega de estar produzindo "frases de efeito" para ganhar holofotes, uma vez que Vieira é pré-candidato a presidência da República em 2022. 

 

Apressão sobre Alcolumbre vem sendo reforçada nas últimas semanas por parlamentares evangélicos, que se reuniram com Bolsonaro e com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, para fazer lobby por Mendonça.

Depois de se reunir com Bolsonaro, nos últimos dias, Mendonça passou a dizer aos aliados que não teme que o presidente retire sua indicação, como vem sendo cogitado pelo grupo que batalha pela candidatura de Aras.  

É por isso que, agora, o ex-ministro de Bolsonaro acha que quem mais tem a perder com a demora é o próprio Alcolumbre. 

 

Aos parlamentares que o procuram, Mendonça diz não acreditar que o presidente da CCJ vá se dar bem ferindo a "institucionalidade" e fazendo todo o Senado de "refém de seus interesses pessoais".

Autor: Malu Gaspar

Fonte: oglobo.globo.com