Geral

Atirador de NY não podia se aproximar de ex-colega, diz polícia

24/08/2012 14h56
O chefe de polícia de Nova York, Ray Kelly, ambos se acusaram de assédio enquanto trabalhavam na empresa
Atirador de NY não podia se aproximar de ex-colega, diz polícia

A polícia de Nova York informou que o atirador responsável por matar uma pessoa perto do Empire State Building, nesta sexta, tinha uma ordem de restrição contra o ex-colega que assassinou. O atirador foi morto após o incidente, e outras nove pessoas ficaram feridas na ação.
De acordo com os agentes, Jeffrey Johnson, 53, havia agredido a vítima, que foi identificada como Steven Ercolino, 41, em abril. Na ocasião, os dois trabalhavam na Hazan Imports, empresa da que Johnson foi demitido do cargo de designer de acessórios femininos.
Ercolino, que era vice-presidente da empresa, prestou queixa na polícia pela agressão e o atirador foi condenado a não se aproximar dele. Em depoimento à polícia, ele descreveu Johnson como "um empregado insatisfeito".

Segundo o chefe de polícia de Nova York, Ray Kelly, ambos se acusaram de assédio enquanto trabalhavam na empresa. Em entrevista à emissora de televisão Fox News, o pai da vítima, Frank Ercolino, lamentou a morte. "Steven era um filho maravilhoso. Era um filho e uma pessoa muito boa".

Kelly também disse que a ocorrência foi comunicada por um operário de uma construção próxima, que viu Johnson com a arma em uma bolsa preta embaixo do braço. Dois policiais antiterrorismo que trabalham na porta do Empire State Building, o mais alto de Nova York, tentaram fazer a prisão.

TURISTAS

No tiroteio, nove turistas que aguardavam na fila para visitar o mirante do arranha-céu foram atingidos. Os visitantes estão hospitalizados, mas não correm risco de morte.

Ainda não está claro se os turistas foram atingidos pelo atirador ou por balas dos policiais. O prefeito da cidade, Michael Bloomberg, elogiou o "heroísmo" dos policiais
É o terceiro tiroteio em pouco mais de um mês em locais públicos nos Estados Unidos. Em 20 de julho, um atirador matou 12 pessoas em uma cinema de Aurora (Colorado); no dia 6 passado, um veterano do Exército matou seis e feriu quatro durante uma cerimônia religiosa em um templo sikh no Estado de Wisconsin.

Há duas semanas, a polícia de Nova York matou a tiros um sem-teto que circulava com uma enorme faca em mãos na Times Square, a mais movimentada praça da cidade, imagem capturada por celulares de dezenas de turistas.

O tiroteio diante do prédio de 102 andares bem no horário em que centenas de pessoas chegavam ao trabalho parou parte da cidade. A polícia isolou cerca de 10 quadras da Quinta Avenida e cinco quarteirões entre Park Avenue e Sexta Avenida.

Passageiros que estavam em um ônibus que passava no cruzamento da rua 34 com a Quinta Avenida, onde aconteceu o tiroteio, postaram na rede social Reddit, que todos se jogaram no chão enquanto ouviam vários tiros.

Os feridos estavam diante da filial da tradicional farmácia Duane Reade. No movimentado cruzamento, ainda há um Starbucks e as lanchonetes Wendys e Papaya Dog.

Autor: Redação

Fonte: Uol