Esportes

Sobrevivente do incêndio no Flamengo sonha alto no Fortaleza e desabafa: "Livramento de 10 segundos"

22/07/2021 16h11
Jogador relembra luta para sobreviver
Sobrevivente do incêndio no Flamengo sonha alto no Fortaleza e desabafa: "Livramento de 10 segundos"

O sonho de Cauan Gomes de ser jogador começou nas quadras vestindo a camisa do Fortaleza. Em 2017, o jovem fez parte do Leõezinhos, projeto do clube tricolor de futsal. Os caminhos em busca do desejo de ser jogador profissional o levaram para as categorias de base do Flamengo. O jovem foi um dos 16 sobreviventes do trágico incêndio em uma alojamento no Ninho do Urubu, que deixou 10 vítimas. Os ferimentos sararam, o psicológico foi fortalecido com ajuda psicológica e apoio da família, e Cauan segue escrevendo uma bela história, dessa vez de volta ao Leão.

- Para mim é mais uma oportunidade na minha vida, na minha carreira. Poder voltar ao clube que sempre me deu oportunidade de jogar, de mostrar meu trabalho. Fiquei muito grato e feliz de ter voltado.

Ele voltou para a capital cearense para dar continuidade ao sonho de ser um jogador profissional. Cauan tem contrato até 2023 e disputa na categoria Sub-17. Depois de quatro anos nas categorias de base do Flamengo, o CT Ribamar Bezerra é a nova casa. O pai, John Emanuel, relembra o caminho até aqui.

- Primeiramente eu agradeço muito a Deus por ter dado esse livramento e mais essa oportunidade de poder abraçar. Se não tivesse sobrevivido... estaria até hoje sem poder abraçar - compartilha.

- Por incrível que pareça, eu trabalhava no período da noite e quando dava 4h30 e 5h30 da manhã, eu gostava muito de ligar a televisão para ver os noticiários. Nesse dia eu não liguei nada. Quando cheguei em casa, vi minha mãe falando no telefone com uma prima nossa que mora no Rio e quando vi, percebi que ela estava falando sobre ele. Senti logo - completa.

Na madrugada do dia 8 de fevereiro de 2019, dez garotos entre 14 e 17 anos morreram no CT do Flamengo na maior tragédia da história do clube. Cauan tentou escapar pela janela do contêiner onde estavam, chegou a quebrar a janela do quarto e gritar por ajuda.

- Jonathan tentou sair pela porta principal e acabou não dando, mas ele tentou de novo e acabou não conseguindo. Quando ele tentou, ele abriu e veio um mormaço quente no meu rosto. Percebi que estava acontecendo alguma coisa errada, acordei e pisei no chão e senti quente. Fui para a janela, abri. Tinha vidro e alumínio. Coloquei uma parte para fora, mas não consegui passar, fiquei batendo o pé e pedindo socorro para o lado de fora e um monitor viu. Eu não ia esperar ninguém ir me salvar, mas veio um calor tão grande, que eu pensei que ali era a hora. Me abaixei com a mão na cabeça e esperei. Me deu uma força do nada e comecei a socar a janela. Quando a gente saiu e chegou no campo do profissional explodiu tudo. Parece que foi um livramento de 10 segundos - relembra.

Dois anos se passaram e para o Cauan a palavra vida ganhou mais força. Aos 14 anos, ele nasceu de novo e, aos 17, garante que quer fazer valer essa oportunidade de estar vivo.

- Valorizar mais a vida, tem pessoas que brincam muito com a própria vida. Eu me preservo muito hoje em dia em termos de brincadeiras que podem me prejudicar - afirma.

- Pretendo prolongar aqui a minha vida, o meu contrato por mais dois anos e subir ao profissional do Fortaleza - deseja.

Autor: Beatriz Carvalho e Caio Ricard

Fonte: globoesporte.globo.com