Brasil

Metrô rompe com empresa de máquina de bilhete unitário

27/01/2019 23h14
Sem máquina de bilhete, Metrô decide romper contrato
Metrô rompe com empresa de máquina de bilhete unitário

 O Metrô de São Paulo, do governo João Doria (PSDB), diz que rescindiu o contrato e multou a empresa responsável pelo fornecimento de 153 máquinas (sendo três reservas) para venda de bilhetes unitários em várias estações da linha metroviária. O investimento custou R$ 24 milhões ao governo do estado. A Implay, com sede no Sul do país, negou o rompimento.

O impasse entre as empresas pública e privada representa a situação encontrada pelo Vigilante Agora, exatamente há uma semana, quando a reportagem percorreu 26 estações do Metrô, das quais, 12 na linha 1-azul e 14 na linha 2-verde. O objetivo era checar se os terminais de autoatendimento estavam instalados e em operação.

Em reportagem do Agora de 4 de agosto de 2018, de 126 máquinas instaladas em 35 estações, só 28 funcionavam. O prazo inicial para colocar os totens em funcionamento era julho. Depois, o Metrô prometeu para dezembro, o que não foi cumprido.

Na última segunda-feira, na linha 1-azul, dos 65 totens encontrados em 12 estações, 58 não funcionavam. Algumas, como Liberdade, São Joaquim e Vergueiro, estavam com os equipamentos desativados e avisos pregados: "Máquina em implantação. Em breve mais uma comodidade para você". 

Autor: Elaine Granconato

Fonte: agora.uol.com.br