Blogs

As lições que Ciro Gomes não aprendeu com Ronaldo Lopes

26/10/2021 14h29
Ciro Gomes não soube esperar o tempo certo para se tornar forte.
As lições que Ciro Gomes não aprendeu com Ronaldo Lopes

Para muitas pessoas Ronaldo Lopes é um experiente administrador de órgãos públicos – COHAB/AL, Secretarias de estado, Codevasf, DER – levando-o ao patamar de um político preparado para exercer cargos indicados e por fim eleito pelo povo. Esta afirmativa é comungada por muitas pessoas do seu ciclo de amizade e/ou das pessoas com quem trabalhou nos órgãos que dirigiu.

Em contrapartida é fato e não se pode nem se se deve negar que parte dos que não conheciam de perto o trabalho de Lopes opinava em sentido contrário ao acima descrito, incluindo nesse contexto a redação do CPA e que nunca negou a sua opinião.

Esperou a hora certa.

Hoje pela reconhecida administração pública de Penedo quase que a totalidade das opiniões adversas avistou as qualidades do prefeito pelas ações desenvolvidas interferirem diretamente e para melhor na vida dos penedenses. E faz-se um coro uníssono que Penedo está entregue a boas mãos.

Resumo: RL tornou-se reconhecido como competente e capaz.

Já na política os parâmetros são sempre uma constante nas análises profundas sobre os políticos, e por este ângulo a redação do CPA entendeu que as lições de Lopes não foram aprendidas pelo político de múltiplas funções no país, Ciro Gomes.

É voz corrente em todo o território nacional que é o mais preparado para governar o Brasil. Mas não aprendeu a ter a paciência de RL que soube com maestria esperar a hora certa de contar com apoio do prefeito a quem serviu como vice, e que por isso mesmo conquistou o apoio do mesmo para aí sim se lançar como candidato a prefeito de Penedo e vencer.

Talvez tenha lhe faltado paciência.

Ciro foi deputado estadual por duas legislaturas no Ceará, o 43.º prefeito de Fortaleza, o 52.º governador do Ceará, ministro da Fazenda do Governo Itamar Franco durante a implantação do Plano Real e ministro da Integração Nacional durante o projeto de transposição do rio São Francisco e deputado federal pelo seu estado de nascimento. Reúne em si uma experiência extraordinária, mas não soube transformar o tempo em seu aliado.

 

Pelo contrário, transformou Lula a quem serviu até como ministro em seu desafeto e alvo da campanha de 2022 imaginando daí ser um dos virtuais nomes a disputar a presidência da república em segundo turno, já que em todas as outras vezes que postulou tal cargo terminou por apoiar a alguém em segundo turno.   

Autor: Raul Rodrigues

Fonte: correiodopovo-al.com.br