Blogs

A inconclusa explicação para as altas dos preços dos combustíveis tem nome: todos os governos.

18/06/2022 14h21
Nossa economia é fraca, nosso real é debilitado diante do Dólar e ainda não nos demos conta que somos rico em matéria prima.
A inconclusa explicação para as altas dos preços dos combustíveis tem nome: todos os governos.

A corrida contra os aumentos dos preços dos combustíveis tem muitas explicações para quem mexe com muitas variáveis – os senhores economistas – que falam o economês – que buscam e rebuscam tais justificativas dentro da área econômica.

Já para as pessoas simples e que sentem no bolso o peso desses aumentos abusivos, poucas palavras bastam: os governos – presidentes da república – foram incompetentes para fazer manter uma dura regra de mercado; “no que é meu, mando eu!”.

Se somos autossuficientes em cerca de 80% do petróleo que necessitamos, não necessariamente deveríamos aceitar acordos internacionais que mantém o Dólar forte, enquanto o Real quase volta a ser Cruzeiro. Êpa, mas não é o Cruzeiro da segunda divisão, este está ladeado pelo Vasco.

O PPI – Preço de Paridade Internacional – atende ao mercado estrangeiro, mas não ganhamos em Dólar. Isto implantado pelo governo Michel Temer.

E os maiores riscos ficam por conta da economia globalizada, o que nos coloca como reféns de uma guerra entre países produtores de Petróleo, caso atual da Rússia contra a Ucrânia, e que nós nada temos de culpa da geopolítica entre esses países.

A base de custo dos combustíveis anteriormente era feita pelo custo da produção e a margem de lucro internamente, e, secundariamente um comparativo com os preços internacionais por atender a uma demanda do consumo – 20% - forçando-nos a uma compra do exterior.

Mas quando vimos que caímos no conto do vigário das commodities da soja e do trigo, daí por diante deixamos de ter o domínio sobre os preços dos nossos combustíveis, o que nos torna escravos das variações do preço do Petróleo internacional.

Em resumo, é isso aí!  

      

Autor: Raul Rodrigues

Fonte: correiodopovo-al.com.br