Alagoas

MPF vai solicitar esclarecimentos sobre vacinação de novos grupos, de pessoas sem comorbidades

04/05/2021 20h33
Órgão havia recomendado que pessoas com comorbidades deveriam ser prioridade, antes de inserir novos grupos na imunização
MPF vai solicitar esclarecimentos sobre vacinação de novos grupos, de pessoas sem comorbidades

O Ministério Público Federal em Alagoas (MPF/AL) vai requisitar à Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) que sejam feitos esclarecimentos a respeito do calendário de vacinação contra a Covid-19 no estado, tendo em vista o anúncio de que novas categorias começariam a ser imunizadas, antes mesmo de concluída a vacinação das pessoas com comorbidades. No último mês, o órgão, junto com o Ministério Público Estadual de Alagoas (MPAL), havia feito uma recomendação nesse sentido.

Nessa segunda-feira (3), com a chegada de novas doses do imunizante ao estado, foi anunciado o início da vacinação de grupos que estão fora do recomendado pelos Ministérios Públicos. Conforme o governo do estado, a vacinação será estendida aos profissionais da Educação Básica, pessoas em situação de rua e reeducandos e servidores do Sistema Prisional acima de 18 anos, além de dar continuidade à imunização das pessoas com comorbidades (de 45 a 55 anos), pessoas com deficiência (de 55 a 59 anos) e trabalhadores da saúde (maiores de 18 anos).

Na recomendação dos órgãos, é indicado que seja feita a vacinação, de forma exclusiva, das pessoas com comorbidades, "em obediência ao Plano Nacional de Imunização, abstendo-se e/ou interrompendo a vacinação de categorias profissionais que não foram categorizadas como prioridades ou foram categorizadas como prioridades, entretanto encontram-se elencadas em posição posterior às pessoas com comorbidades no âmbito do Plano Nacional Imunização (PNI) ou sequer fazem parte do PNI".

Com o não cumprimento do que foi recomendado, o estado, agora, terá que explicar os motivos de inserir outras categorias na na imunização, antes de concluir o que havia sido preconizado pelo Ministério.

Nesta terça, o assunto já repercutiu na Assembleia Legislativa Estadual, onde deputados questionaram os motivos de vacinar, neste momento, os reeducandos do sistema prisional, enquanto trabalhadores que estão indo às ruas - como os rodoviários - não têm previsão de serem imunizados. Em resposta, o Governo do Estado disse que 'vacinar os presos e profissionais do sistema prisional é preconizado na Campanha Nacional de Vacinação e nós temos que vacinar a todos, sim, até porque quem está recluso de liberdade está sob a tutela do Estado. Essas pessoas também precisam ser vacinadas'.

Confira a nota enviada pelo MPF:

A assessoria de comunicação do Ministério Público Federal em Alagoas informa que o Grupo de Trabalho COVID-19 está ciente das novas diretrizes de vacinação divulgadas recentemente pela Sesau e esclarecimentos serão requisitados, a fim de serem adotadas as providências que se fizerem necessárias, conforme o caso.

Autor: Jamylle Bezerra

Fonte: gazetaweb.globo.com