Alagoas

Mais três cruzeiros deixarão de passar por Maceió após suspensão de operações ser prorrogada

13/01/2022 17h10
Navios que não irão atracar na capital estavam previstos para chegar nos dias 26 de janeiro, 1º e 2 de fevereiro de 2022
Mais três cruzeiros deixarão de passar por Maceió após suspensão de operações ser prorrogada

A Associação Brasileira de Navios de Cruzeiros prorrogou, nesta quinta-feira (13), até o dia 4 de fevereiro, a suspensão voluntária das operações nos portos do Brasil. Com isso, mais três navios deixarão de atracar em Alagoas nesta temporada. Ao todo, o número de cruzeiros que deixarão de passar por Alagoas em 2022 já chega a sete.

Os três novos navios que deixarão de atracar na capital alagoana chegariam nos dias 26 de janeiro, 1º e 2 de fevereiro. De acordo com o calendário da temporada, a chegada de cruzeiros em Maceió está prevista para acontecer até o dia 13 de abril deste ano.

De acordo com a associação, a decisão de prorrogar voluntariamente a suspensão das operações no Brasil contrasta com a evolução positiva nos Estados Unidos, onde, segundo a associação, as autoridades de saúde reconheceram a eficácia dos protocolos da indústria de cruzeiros e anunciaram a elevação do Conditional Sailing Order (CSO), que ajudou a orientar o retorno do setor às operações na América do Norte.

A associação pontua ainda que os cruzeiros são o único segmento que exige, antes do embarque para passageiros e tripulantes, níveis extremamente altos de vacinação e 100% de testes de cada indivíduo. No Brasil, os protocolos exigem que todos os hóspedes estejam com o ciclo vacinal completo, apresentem testes negativos antes do embarque, testagem contínua a bordo, uso de máscaras, distanciamento social e menor ocupação dos navios, entre outros protocolos.

“Quando os casos são identificados como resultado da alta frequência dos testes a bordo, os protocolos dos navios de cruzeiro ajudam a maximizar a contenção com procedimentos de resposta rápida projetados para proteger todos os hóspedes e tripulantes, bem como as comunidades que os navios visitam. Além disso, os cruzeiros são o único setor que monitora, coleta e relata continuamente informações de casos diretamente aos órgãos governamentais”, diz comunicado da associação.

Autor: Hebert Borges

Fonte: gazetaweb.globo.com