Alagoas

Defesa Civil alerta sobre risco de alagamentos para cidades do baixo São Francisco

17/01/2022 17h44
Região do baixo São Francisco preocupa as autoridades, devido à cruzamento entre alta da vazão com maré alta, no fim deste mês
Defesa Civil alerta sobre risco de alagamentos para cidades do baixo São Francisco

Diversos órgãos discutiram os pontos determinantes sobre a alteração da vazão nas UHE de Sobradinho e Xingó, previstas para o mês de janeiro, e que devem impactar nas regiões ribeirinhas. A reunião, conduzida de forma virtual a convite da Coordenadoria Estadual da defesa Civil, ocorreu na manhã desta segunda-feira (17). Por causa do sinal de alagamentos, há monitoramento das áreas de risco nas cidades do baixo São Francisco.

O intuito da discussão foi o de revisar os impactos e traçar os planos de ação para a segurança das populações ribeirinhas do baixo são francisco, que deverão sentir o aumento do nível do rio. O aumento da vazão se dá devido as fortes chuvas no Centro Oeste da Bahia, em função da barragem de Sobradinho, que está próxima de atingir sua capacidade máxima de acumulação.

Com aumento gradual até o fim do mês, a vazão da hidrelétrica de Xingó deve chegar à 4000m ³/s. Tendo em vista a região da foz do São Francisco, mais especificamente as manchas de alagamento previstas para Piaçabuçu e para as ilhotas de Traipu, as autoridades pediram atenção para o monitoramento da área. Os moradores dessa localidade são considerados de áreas de risco e estão sendo realocados.

"A partir do dia 18 já devemos ter problema, e a partir do dia 20 a situação já pode pedir ações de salvamento, principalmente com achegada da maré alta, de 2.1, já recebendo águas com 3000m ³/s", afirmou o Tenente Coronel Moisés Pereira Melo, Coordenador Estadual de Defesa Civil de Alagoas.

Com isso, a Defesa Civil de Sergipe se prontificou a fazer sobrevoos na área do baixo São Francisco, junto ao coordenador estadual. Também foi expresso às autoridades marítimas que permanecessem com frota disponível para dar amparo à qualquer necessidade emergencial de salvamento.

 

A Defesa Civil orientou, ainda, que os municípios estivessem previamente prontos para solicitar a declaração de estado de emergência junto ao governo federal, tendo em vista não demorar para obter recursos para as demandas de salvamento, retirada da população e assistência social.

Contudo, a Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf) afirmou que os volumes seguirão sendo calculados e monitorados durante todo o progresso, havendo meios de advertir aos municípios com antecedência sobre qualquer demanda de emergência. O coordenador da Sala de Alerta da Semarh, Vinícius Pinho, afirmou também não haver previsão de grande volume de chuva para a área do baixo São Francisco, e garantiu emitir previsão especializada para a área, junto a Defesa Civil, para monitorar o volume pluvial.

O Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF) e a Defesa Civil de Alagoas já haviam emitido alerta, na terça-feira (11), para que a população ribeirinha e visitantes evitem os leitos e ilhas do Rio São Francisco. O nível da água pode subir a um patamar não visto desde 2009, ou seja, há 12 anos.

"Estamos fazendo um trabalho para ativar postos de comando em Piranhas e Piaçabuçu. Já há fake news rodando na cidade, com fotos falsas de inundações, e a defesa está junto da população e da imprensa para monitorar a situação. Estamos junto aos estabelecimentos, com fotos ao vivo dos locais, junto às prefeituras, e com o trabalho social junto à população" afirmou ainda o Major Rômulo Guedes, também da Defesa Civil.

O alerta se estende ainda para os municípios de Piranhas, Pão de Açúcar, São Brás, Traipu, Belo Monte, Porto Real do Colégio e Pìaçabuçu. “Orientamos que evitem atividades com embarcações nestes dias, como também a retirada de bares, animais e residentes próximos ao leito do rio".

O aumento gradual teve início no último dia 12 e deve seguir até o dia 24:

XINGÓ

  • 16/01/2022 - 2.000 m ³/s
  • 18/01/2022 - 2.500 m ³/s
  • 20/01/2022 - 3.000 m ³/s
  • 22/01/2022 - 3.500 m ³/s
  • 24/01/2022 - 4.000 m ³/s

SOBRADINHO

  • 16/01/2022 2.300 m ³/s
  • 18/01/2022 2.800 m ³/s
  • 20/01/2022 3.300 m ³/s
  • 22/01/2022 3.800 m ³/s
  • 24/01/2022 4.000 m ³/s

Autor: Lucas Carvalho

Fonte: