Alagoas

Conseg abre procedimento para apurar conduta de coronel exonerado por expor apoio a Bolsonaro

11/06/2021 11h44
Esta é a segunda investigação aberta pelo Conseg em menos de duas semanas, visando investigar manifestações políticas de militares nas redes sociais
Conseg abre procedimento para apurar conduta de coronel exonerado por expor apoio a Bolsonaro

Mais um militar alagoano será investigado pelo Conselho Estadual de Segurança de Alagoas (Conseg) por expor manifestação política em rede social. Desta vez, o tenente-coronel Marcos Vanderlei, ex-subcomandante do Comando de Policiamento da Capital (CPC), que postou fotos com o presidente da República, Jair Bolsonaro (Sem partido), é quem terá a conduta apurada. O procedimento foi aberto nesta quinta-feira (10) e terá como relator o promotor de Justiça Magno Alexandre Moura.

Além da manifestação política, o procedimento também vai investigar as falas do militar contra o governador de Alagoas, Renan Filho (MDB). Vanderlei foi exonerado da função de subcomandante do CPC na última sexta-feira (4). Nas redes sociais, ele postou um texto em que atribuiu a exoneração a uma ordem de Renan Filho (MDB). No post, o militar diz que sua exoneração ocorreu por causa das publicações.

Esta é a segunda investigação aberta pelo Conseg em menos de duas semanas, visando investigar manifestações políticas de militares nas redes sociais. A primeira foi contra a tenente-coronel Camila Paiva, do Corpo de Bombeiros de Alagoas (CBM/AL), por "possíveis transgressões disciplinares". Paiva participou de um ato contra o presidente da República.

No caso do tenente-coronel Marcos Vanderlei, ele publicou fotos nas redes sociais com o presidente Jair Bolsonaro durante a visita dele a Alagoas, no mês passado. O tenente-coronel estava de serviço, fazendo a segurança de Bolsonaro. Vanderlei chegou a divulgar sua exoneração em um perfil de rede social, mas depois apagou.

À Gazetaweb, o subcomandante confirmou a exoneração, mas optou por não falar sobre o assunto sem a autorização do comando da Polícia Militar (PM). Já a militar do Corpo de Bombeiros disse que seu posicionamento político no ato foi realizado como cidadã, e não, como integrante do CBM.

Sobre a exoneração do agora ex-subcomandante do CPC, a reportagem entrou em contato com a assessoria da PM/AL, mas não obteve retorno até a publicação desta matéria. Camila Paiva continua exercendo as funções que já exercia na Secretaria de Segurança Pública (SSP).

 

Autor: Jonathas Maresia e Hebert Borges

Fonte: gazetaweb.globo.com