Pesquisa da UFAL

'Temos que retroagir para a fase vermelha', diz pesquisador da Ufal sobre flexibilização do isolamento em Maceió

Estudo da Ufal faz alerta para variação dos números de casos confirmados e óbitos por Covid-19 em Maceió.

14/07/2020 por Redação

Pesquisadores da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) divulgaram nesta segunda-feira (13) um estudo que aponta para a oscilação dos números de casos e óbitos de Covid-19 em Maceió. Eles fazem um alerta para que a capital retorne para a fase vermelha do Protocolo Sanitário de Distanciamento Social Controlado, que prevê regras de flexibilização até a volta total da normalidade.

No dia 30 de junho, o governador Renan Filho anunciou a nova classificação de Maceió para a fase laranja, permitindo a reabertura gradativa de serviços não essenciais. Ele manteve todos os demais municípios na fase vermelha, com restrições mais rígidas por prevenção ao coronavírus. Uma nova avliação deverá ser anunciada nesta terça (14).

Os avanços de fase têm como base a avaliação dos dados durante as semanas epidemiológicas, que considera a capacidade hospitalar instalada, evolução dos óbitos e taxa de crescimento da Covid-19.

Esses indicadores compõem a Matriz de Risco e são esse os números questionados pelos pesquisadores da Ufal que analisam os dados semanalmente. O último relatório do estudo apontou um aumento no número de pessoas diagnosticadas com a doença, em Maceió.

O pesquisador Gabriel Bádue considera os índices preocupantes. "É um aumento do número de casos entre a 27ª e a 28ª semana quando a gente pega a série temporal dos últimos 14 dias, das últimas 2 semanas, nenhum dessas regiões apresenta uma tendência de queda constante. Há sempre uma oscilação, tanto em relação a casos quanto em relação a óbitos", avalia o estudioso.


Por outro lado, o estudo mostra que o número de mortes vem diminuindo tanto na capital como no interior do estado. Mas como os pesquisadores indentificaram que a queda não é constante, eles recomendam que não é a hora de avançar para uma nova fase de flexibilização.

"Os dados então mostram que ao invés de flexibilizar mais, temos que retroagir para a fase vermelha", disse Gabriel e explicou que os índices são comparados com as diretrizes postas pelo Subcomitê de Epidemiologia do Consórcio Nordeste que é formado por um grupo de 25 especialistas.

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) informou que a possível mudança da atual fase laranja para a fase amarela do isolamento social controlado ainda está em avaliação. Segundo o secretário Alexandre Ayres, o aumento registrado na última semana não tem relação direta com a recente reabertura de algumas lojas do centro de Maceió.

"A gente tem essa oscilação como natural. Esses números não são decorrentes da última abertura realizada, até porque a semana epidemiológica findou agora, a segunda semana. E o que a gente tem observado também é uma diminuição na procura nas centrais de triagem, nas UPAs. Isso demonstra uma redução do contágio aqui na capital", disse o secretário.

Os dados da Sesau mostram a redução na busca por atendimento nas centrais de triagem. Na do Benedito Bentes foram 4.851 atendimentos em maio, mais de 5 mil e 900 em junho e 1.600 em julho. Na do Trapiche foram mais de 10.160 em maio; 6.400 em junho e 1.690 em julho.

Alexandre Ayres disse ainda que a mudança de fase será respaldada pela recomendação da ciência, podendo avançar ou recuar dependendo dos números.


Shoppings se preparam para reabertura
E diante da expectativa da nova classificação, os shoppings de Maceió já começaram a testar os funcionários para a Covid-19. Segundo Robson Rodas, superintende de um dos shoppings da capital, os lojistas querem a reabertura dos estabelecimentos ainda nesse fim de semana.


Fonte: g1.globo.com

Tags: 'temos que retroagir para a fase vermelha' - diz pesquisador da ufal sobre flexibilização do isolamento em maceió

Galeria de fotos