Escritório do crime

Escritório do crime: os detalhes da investigação que prendeu os líderes do grupo

Para matar alguém sob encomenda, eles chegavam a cobrar até R$ 1,5 milhão. O Fantástico mostra imagens com algumas das ações atribuídas ao grupo.

06/07/2020 por FANTÁSTICO

Uma vida não tem preço, mas para homens de uma quadrilha, assassinos profissionais, sempre teve. Para matar alguém sob encomenda, eles chegavam a cobrar até R$ 1,5 milhão.

Uma operação na terça-feira passada (30) prendeu o líder da organização, Leonardo Gouveia, de apelido Mad, e o irmão dele, Leandro, conhecido como Tonhão. Naquele dia, sentado no chão, como se já estivesse de castigo, era difícil imaginar que ali estava um criminoso brutal, o cabeça do que ficou conhecido como o Escritório do Crime.

A organização pode ter mais de dez anos e foi criada por alguém que já foi próximo de gente muito importante: o capitão Adriano da Nóbrega, morto pela polícia no início do ano, quando estava escondido no interior da Bahia. Um fim dramático para quem foi homenageado na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro à pedido do então deputado Flávio Bolsonaro. E a mãe e a mulher do capitão Adriano foram funcionárias de Flávio por muitos anos.

Adriano passou de policial elogiado à criminoso em pouco tempo. Se envolveu com dois dos setores mais ricos do crime no Rio, o jogo do bicho e a milícia. O escândalo dos assassinatos da vereadora Marielle Franco e de seu motorista Anderson Gomes, em março de 2018, fez com que as autoridades suspeitassem da milícia, de Adriano e de criminosos ligados a ele.


Fonte: g1.globo.com

Tags: escritório do crime: os detalhes da investigação que prendeu os líderes do grupo

Galeria de fotos