72 horas para embaixadora deixar Venezuela

Maduro dá 72 horas para embaixadora da UE deixar Venezuela, após sanção a aliados

Bruxelas incluiu em uma nova lista o dissidente da oposição Luis Parra e outros 10 funcionários relacionados ao regime venezuelano

30/06/2020 por AFP e El País

CARACAS — O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, deu 72 horas à chefe da delegação da União Europeia em Caracas, Isabel Brilhante Pedrosa, para deixar a Venezuela, após o bloco anunciar sanções nesta segunda-feira contra 11 funcionários relacionados ao regime, incluindo o deputado Luis Parra, que rompeu com a oposição para assumir a presidência da Assembleia Nacional com apoio do governo. A decisão de Maduro aprofunda o isolamento internacional de seu governo, sem relações com Washington e com os principais países da região.

— Quem são eles para tentar se impor com a ameaça? Quem são? Chega! Por isso, decidi dar 72 horas à embaixadora da União Europeia para que abandone o nosso país — disse Maduro durante ato no palácio presidencial de Miraflores.

Incluído entre os sancionados, o deputado Luis Parra disputa a presidência do Parlamento de maioria opositora com Juan Guaidó, com quem rompeu. Como presidente da Assembleia Nacional, Guaidó se declarou em 2019 "presidente interino"  da Venezuela, e obteve o reconhecimento de meia centena de países. Parra foi eleito presidente da Assembleia Nacional da Venezuela em janeiro deste ano, em uma sessão sem quórum, em paralelo à reeleição de Guaidó.

Além dele, a nova lista de líderes venezuelanos próximos ao governo Maduro sancionados por "agir contra o funcionamento democrático" do Parlamento inclui outras 10 autoridades que, segundo Bruxelas, impediram a saída da grave crise institucional e política pela qual o país está passando ou participaram ativamente do cerco à oposição usando o aparato do regime.

A decisão do Conselho Europeu é especialmente significativa porque, pela primeira vez, aponta para alguns operadores políticos que, pelo menos formalmente, não pertencem às fileiras do chavismo. No entanto, o governo tentou torná-los colaboradores externos. Além de Parra, por exemplo, a UE impõe sanções a Franklyn Duarte e a José Gregorio Noriega, vice-presidentes da Assembleia Nacional.

Esse tipo de medida europeia, que consiste basicamente na proibição de viagens e no congelamento de ativos, afeta 36 líderes venezuelanos até o momento.


Fonte: oglobo.globo.com

Tags: maduro dá 72 horas para embaixadora da ue deixar venezuela - após sanção a aliados