Com todos sendo afetados, a igualdade prevalece

Se o mundo fosse um relógio.

Quem tinha pouco perdeu pouco, pois pouco tinha. Quem tinha muito perdeu muito porque muito também tinha. Todos ficarão iguais.

12/06/2020 por Por Raul Rodrigues

Se o mundo fosse um relógio, por suíço que fosse, estaria nesse momento parado. Por mais precisa que fosse a sua engrenagem, uma das peças teria paralisado todo o resto da máquina.
E qual seria a peça emperrada? A mais frágil de todas elas. O amor ao próximo.

O mundo estaria em vias de se dividir de tal maneira que ninguém mais iria se juntar ou unir fruto do egocentrismo, individualismo e egoísmo, ou pelas partes mais sensíveis ao domínio da humanidade – a econômica e a social – que de tanto fazer sangrar a quem faz o relógio marcar as horas certas, estariam essas peças iludidas pelos precisos lubrificantes do socialismo ou pela graxa do comunismo. Ambos buscam a escravidão legal. E derrocada dos poderosos trará de volta o sentimento humanitário do amor ao próximo. Pois o dinheiro será apenas moeda de troca e mais nada.

O fenômeno da pangeia separou por meio de mares e oceanos a terra nos cinco atuais continentes, os povos em línguas diferentes depois da Torre de Babel, mas ainda assim o amor ao próximo resistiu gerando saudades entre os separados por tantas outras razões que não fosse a da discriminação racial, social e econômica. Os povos por meio dos seus líderes desde os tempos medievais buscaram a liderança maior para dominar reinos e terras, e até Hitler as guerras foram o instrumento da conquista.

O relógio suíço até aí não parou. Mas quando as horas passaram a ser medidas em mesmo espaço de tempo sendo valorizadas por cifras diferentes entre moedas fortes ou fracas, o ser humano em sua maioria absoluta virou escravo do capitalismo – cadafalso do comunismo e do socialismo – fosse onde fosse que estivesse. Até aí o relógio continuou a funcionar. Aí veio então, a peça que gripou a engrenagem da antes tão funcional máquina preciosa. Engrenagem gripada para!

O capitalismo, o socialismo e o comunismo então encontraram um adversário imbatível. A Coroa que faz parte da engrenagem junto ao eixo principal, também denominado de Corona Vírus.

Muitos acham que os “preciosos mecânicos” estão operando milagres da corrupção se locupletando do dinheiro público para se tornarem mais fortes. Este redator particularmente discorda. Eles serão engolidos pela revolta despejada nas urnas espalhadas pelo mundo inteiro. Os grandes “líderes” serão estraçalhados pela vontade de um povo que viu escorrer por entre os dedos que votam as vidas de familiares queridos pela falta do atendimento médico que deveria ter sido prestado pelos “líderes”.

Tudo vai voltar a funcionar, porém, com a revisão do olhar crítico de quem ainda terá o direito de, pela democracia, votar e escolher novos e melhores líderes.     

E o relojeiro? É Deus. 
 


Fonte: correiodopovo-al.com.br

Tags: se o mundo fosse um relógio.