As pedras do Penedo escondem segredos

As piores víboras são que se misturam a todos. Gabinete do Ódio II.

Talvez por se tratar de uma cidade criada por sobre rochedos, Penedo mantenha-se com víboras.

08/06/2020 por Por Raul Rodrigues

Quando descrevi sobre o Gabinete do Ódio de Penedo, recebi dezenas de comentários no zap parabenizando-me por ter a coragem de desvendar esse tipo de situação vivenciada pela população penedense há décadas, e que, ninguém teve a coragem e ousadia de dedilhar tão bem sobre o tema.

O Gabinete do Ódio em Penedo é uma realidade com vários comandos, mas atendendo a duas vozes da maldade; uma feminina e mais exposta, pois nunca deixou de se esconder do seu mau humor entre as marcantes formas de magoar a quem estiver mais próximo naquele momento. Seu humor depende do jeito que acorda dizem os mais próximos. Potencialmente letal com sua certeza de que não precisa de ninguém.

E a segunda voz, que é de um “aliado” de peso e de idade que flameja seu veneno sempre pelas vias da fofoca de pé de orelha, tanto para um lado quanto para o outro, sentindo-se sempre uma grande inteligência. O que para fazer o mau é certíssimo. Sempre ortodoxo em suas colocações, prefere sempre o fino uso da máxima do “onde tem fumaça tem fogo” como forma de nunca ser pego nas informações conflitantes se questionado pelas partes. É fruto de uma sociedade indecente e criminosa – uso de formação de grupos dos contemporâneos – para ferir pela verve a quem escolha como alvo.

Esta figura também traz consigo as marcas dos seus próprios complexos, mas disfarça muito bem aos olhos dos observadores mirins. Entretanto, aos bons olhos de uma Águia deixa cair por sobre o terreno as marchas fúnebres do seu intrépido jeito de viver do passado em meio a usuários de drogas e de outras peripécias. Como bom vivant sempre fez parte da chamada “elite” promissora das vaidades da juventude, sempre contumaz ao uso da língua ferina das colocações nunca frente-a-frente, por se tratar de um algoz por covardia.  

Com esses dois exemplos de elementos nocivos a qualquer sociedade, o Gabinete do Ódio sempre foi muito bem abastecido das víboras venenosas que apenas usaram os mais próximos para espalhar o veneno das suas verves.

Ela, sempre elegante e falsa. Ele sempre servil e costumeiramente lépido em suas farsas camufladas do “homem sem sombras”.
 


Fonte: correiodopovo-al.com.br

Tags: gabinete do Ódio ii.