Não podia vir aqui para discutir Bolsonaro

Bênção de Francisco

No Vaticano, ex-presidente Lula foi recebido pelo Papa, com quem conversou sobre temas como o combate à pobreza

14/02/2020 por Redação

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi recebido nesta quinta-feira pelo Papa Francisco, em uma audiência privada de quase uma hora no Vaticano. Ao deixar o encontro, Lula afirmou que não falou sobre o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e seu governo durante a conversa com o pontífice. Lula disse ainda que o papa é um personagem “inspirador” e destacou ter ficado muito “satisfeito” em conhecê-lo.

O encontro entre o brasileiro e o líder religioso argentino, o primeiro entre eles, aconteceu na casa de hóspedes Santa Marta, onde mora o papa, no Vaticano, e foi intermediado pelo presidente da Argentina, Alberto Fernández, que visitou o conterrâneo em Roma no último dia 31.

Lula chegou ao Vaticano acompanhando por uma pequena comitiva na qual estava o exministro Celso Amorim, que comandou o Itamaraty nos seus dois governos. A audiência foi tratada com discrição pelo Vaticano, que não a incluiu nos eventos oficiais de Francisco.

O ex-presidente afirmou ter conversado com o Papa sobre o combate à pobreza, o desenvolvimento econômico voltado aos mais pobres e a defesa do meio ambiente. “Encontro com papa Francisco para conversar sobre um mundo mais justo e fraterno”, escreveu o ex-presidente em rede social.

O Instituto Lula, em sua conta no Twitter, publicou fotos do encontro e citou a intenção de “discutir e pensar soluções para as injustiças e desigualdades no mundo”.

Lula disse ter lido o documento final do pontífice sobre o Sínodo da Amazônia, divulgado na última quarta (12), mas que eles não falaram especificamente sobre a floresta. Indagado se Bolsonaro foi tema de conversa, Lula limitou-se a dizer: “Não podia vir aqui para discutir Bolsonaro”, afirmou, na sede da Confederação Geral dos Trabalhadores Italianos, onde participou de debate.

Lula e sua assessoria não informaram se o chamado lawfare (prática de manipulação do sistema jurídico para fins políticos) esteve entre os assuntos do encontro.

Francisco recebeu em dezembro de 2018 de Chico Buarque e da namorada, a advogada Carol Proner, um dossiê sobre o tema relacionando-o à condenação do ex-presidente.

“A minha vinda teve o objetivo principal de discutir com o Papa a questão da desigualdade e de sua luta em defesa de uma boa política ambiental. Todo mundo sabe que os trabalhadores estão perdendo direitos, as conquistas que tivemos no século 20 estão sendo derrubadas pela ganância dos interesses empresarias e financeiros. E estamos percebendo que há uma má vontade dos governantes, apesar dos discursos, de se preocuparem com a questão ambiental”, disse.

Com a audiência marcada pelo papa Francisco, Lula pediu à Justiça Federal do DF para adiar um depoimento que ele iria conceder no âmbito da Operação Zelotes – inicialmente marcado para terça (11). O juiz Ricardo Augusto Soares Leite autorizou, e a audiência foi remarcada para dia 19. Lula retorna ao Brasil no sábado (15).

Essa é a primeira viagem internacional de Lula desde que ele deixou a prisão, em novembro. Além do Papa Francisco, ele se reuniu com lideranças da esquerda italiana, de sindicatos e de organismos de direitos humanos.

“A minha vinda teve o objetivo principal de discutir com o papa a questão da desigualdade e de sua luta em defesa de uma boa política ambiental. Todo mundo sabe que os trabalhadores estão perdendo direitos, as conquistas que tivemos no século 20 estão sendo derrubadas pela ganância dos interesses empresarias e financeiros”, disse o petista


Fonte: Jornal do Comércio

Tags: bênção de francisco