Quem esconde sentimentos, trai a todos

Os olhos falam aquilo que a voz esconde.

A evolução da espécie já não traz benefícios. Os males invadiram a alma.

23/09/2019 por Por Raul Rodrigues

Nos idos de 1975/76/77, ao estudar no Colégio Jackson de Figueiredo, em Aracajú, durante o curso Científico, recebi com muita atenção as frases da Professora Ivone Mendonça, Mestra da Língua Portuguesa, Literatura e do idioma Francês, sendo uma delas “os olhos são as janelas do coração”. Era a forma de expressar que os olhos falam o que a voz esconde.

Quarenta e cinco anos depois já aposentado da lida em salas de aulas por trinta e quatro anos entre a Física e a Matemática, e concomitantemente escrevendo para jornais pelas cidades por onde andei – Maceió e Penedo – ou por meio das palestras de Brasília a Fortaleza – reforço que entre artigos e narrativas, matérias ou editoriais, a frase continua em voga com a plenitude da palavra. Principalmente quando o povo não pode enxergar de perto aos olhos dos senhores políticos sempre durante as suas andanças em campanhas eleitorais.

Nestes momentos os olhos poderiam denunciar a traição das palavras ante aos olhares enganosos das verborrágicas promessas ou falácias daquilo que o povo quer ouvir. Pobre povo.  Que é dito vem dos resultados das pesquisas antecipadas com o eco das ruas dos moradores de cada região. Assim se comportam os mandatários de décadas de mandatos.

Mas se a frase fosse também aplicada aos novos românticos, às janelas do coração também englobariam o início, meio e fim do “eterno” romance dos apaixonados temporários cujo tempo destruiu as ilusões antes mais duradouras, e hoje vitimadas pela falta de tempo para se viver a plenitude do amor que cobra fidelidade aos princípios morais.

E entre os homens, uso dos óculos escurecidos já fecha sobremaneira a única porta do se avistar a controversa conversa entre o dito e o que vem da alma, sufocando a dignidade junto à responsabilidade dando vasão à corrupção entre as partes cujos olhos já não se apresentam nus como d’antes.

Perdemos o poder de penetração da alma entre os românticos, escondemos as verdades por entre lentes escuras, e a emoção esclarecedora foi anestesiada pelas falsas posturas de quem se tornou profissional do enganar ao próximo, mesmo que o próximo seja a sua própria família. Pois o que hoje vale é o ter e não ser. 
 


Fonte: correiodopovo-al.com.br

Tags: os olhos falam aquilo que a voz esconde.