Prestação de contas

Luciano Barbosa vai à ALE explicar calote no Escola 10 e ataque a deputados

Parlamentares reagiram às declarações do secretário, que se referiu a eles como "cães que ladram".

05/09/2019 por Marcos Rodrigues

O calote do programa Escola 10 a várias prefeituras do interior de Alagoas, pelo governo Renan Filho (MDB), provocou um requerimento conjunto na Assembleia Legislativa Estadual (ALE) para a convocação do secretário estadual de Educação, Luciano Barbosa, que deve ir até a Casa dar explicações sobre o problema. Cinco parlamentares - liderados pelo deputado Davi Maia (DEM) - apresentaram o pedido de convocação à Mesa Diretora da ALE.

Como de praxe, a proposição gerou polêmica e tomou conta do plenário. Tudo porque a liderança do governo se articulou para evitar a expressão "convocação", o que obrigaria Luciano Barbosa a comparecer ao parlamento. Pela proposta, o termo deveria ser alterado para "convite". Os municípios que venceram o Escola 10 esperam há nove meses o pagamento dos R$ 20 milhões.

Brevemente esse debate foi superado. Porém, os parlamentares não deixaram de revidar o ataque feito por Luciano Barbosa, na semana passada, quando, ao ser criticado pelo atraso no envio do projeto que premiaria as prefeituras falou, numa rede social, que "enquanto os cães ladram, a caravana passa".

"Se ele não vier é um covarde. Não acho que seja, mas seria uma covardia do secretário não vir a esta Casa para discutir com os deputados. Ele já se omitiu em outras oportunidades. E até para tranquilizá-lo, mas ao mesmo tempo usando a expressão popular: cão que ladra não morde", ironizou Bruno Toledo (Pros)

Mas segundo o deputado Francisco Tenório, por conta do que considerou "falta de educação", defendeu que Barbosa continuasse sendo convocado, porque em outras oportunidades não atendeu ao chamado do Legislativo. Luciano Barbosa é o terceiro secretário a ser convidado para ir à Assembleia prestar esclarecimento. O chefe da delegação da Missão China, secretário de Turismo e Desenvolvimento, Rafael Brito, e a Secretaria de Esportes, Cláudia Petuba, também vão à Casa de Tavares Bastos.

"Ele não age como secretário. Não se impõe e não se faz respeitar, até mesmo pelo seu palavreado, se referindo aos deputados como cães que ladram. E nós deputados, somos cães ou estamos na caravana?", indagou Tenório, tentando manter a convocação. "Não podemos ser desrespeitados e vou perguntar a ele quem são os cães", afirmou o parlamentar.
Em meio às discussões, até mesmo a deputada Jó Pereira (MDB), aliada eleitoral e integrante do partido do governo, voltou a se impor com independência e mandou um recado para Luciano Barbosa. "Usando também o ditado popular, digo aqui que as caravanas passam, assim como os secretários", declarou.

Adversário político de Barbosa, em Arapiraca, onde atuou como vereador, o deputado Tarcizo Freire (PP) lembrou que a postura de Luciano Barbosa, ainda quando prefeito naquela cidade, já era a de ignorar o parlamento municipal.

"Por isso, acho que não devemos abrir mão de nossa prerrogativa de convocá-lo. Fica aqui essa discussão de convida ou convoca, esticando daqui e dali. Se perdermos nossa prerrogativa, estamos ferrados. Conheço ele de Arapiraca e não tenho dúvidas de que ele não virá", afirmou Tarcizo.

Provocação

Aos poucos o debate foi se estendendo. Tanto que a deputada Ângela Garrote (PP), em meio às discussões, quando pediu a palavra sugeriu de imediato que o deputado líder do governo, deputado Silvio Camelo (PV), entrasse em contato com o próprio Barbosa para garantir a sua presença.

"Você, como líder numa hora dessas aqui, já deveria ter saído e ligado para ele para que confirme o dia que vem para cá", falou Ângela apontado para Camelo.

A provocação motivou até o deputado Olavo Calheiros (MDB), que estava em plenário pelo segundo dia consecutivo, a se manifestar e dizer que também apoiava a ida de Barbosa, independente de ser convidado ou convocado. "Parece até que estamos falando de um marginal, um desordeiro, e não é nada disso. A presença dele vai orgulhar o governo", defendeu Olavo.

Ao final do debate em plenário, o requerimento inicialmente apresentado como convocação foi aprovado como convite numa sessão extraordinária imediatamente convocada ao final do expediente ordinário da Casa.Pela proposta, Luciano Barbosa tem até o final do mês de setembro para indicar dia e hora em que vai à ALE.


Fonte: Gazetaweb.com

Tags: luciano barbosa vai à ale explicar calote no escola 10 e ataque a deputados