Assunto voltou à tona

O capitão e os generais

“O curioso é que agora os generais têm que obedecer a um capitão indisciplinado”, acrescenta, em conversa com a coluna em Paraty.

14/07/2019 por BERNARDO MELLO FRANCO

Há quatro anos, uma editora avisou José Murilo de Carvalho de que não tinha planos para sua obra “Forças Armadas e política no Brasil”, então sumida das livrarias. “Eles pensaram que o problema já estava resolvido”, brinca o historiador, um dos principais convidados da 17ª Flip. Com a ascensão da família Bolsonaro, ele decidiu relançar o livro pela Todavia. No prefácio à nova edição, explica por que o assunto voltou à tona.

“A origem militar do presidente eleito em 2018, amplamente alardeada por ele próprio, e a inédita e massiva presença de militares em postos-chave do governo fizeram ressurgir em alguns setores da população o receio de regresso a uma nova ditadura. Justificado ou não, o temor trouxe de volta o interesse pelo tema da relação entre Forças Armadas e política”, escreve.

Para o imortal da Academia Brasileira de Letras, que faz 80 anos em setembro, a presença de militares no poder não permite dizer que estamos diante de um regime parecido com o de 1964. “Ironicamente, o pouco de sensatez e equilíbrio em meio a posturas radicais e desastrosas do presidente, incentivado por seus apoiadores mais fanáticos, tem sido devido aos generais em posições-chave”, observa.

“O curioso é que agora os generais têm que obedecer a um capitão indisciplinado”, acrescenta, em conversa com a coluna em Paraty.

Ex-professor da Escola de Guerra Naval, Carvalho pondera que os oficiais de hoje não são iguais aos que lideraram o golpe contra João Goulart. Mesmo assim, ele se diz preocupado com novos episódios de interferência militar na política. Um dos mais barulhentos foi o tuíte do general Eduardo Villas-Bôas em abril de 2018, na véspera de um julgamento do Supremo Tribunal Federal que poderia libertar o ex-presidente Lula. O então comandante escreveu que o Exército estava aliado aos “cidadãos de bem” e “atento às suas missões institucionais”.

“Aquilo foi uma clara ameaça ao Judiciário. E surtiu efeito”, diz Carvalho. Em janeiro, Villas-Bôas deixou a ativa e virou assessor do governo Bolsonaro. Ele dá expediente no Gabinete de Segurança Institucional, chefiado por outro general de quatro estrelas.

Ao atualizar o livro, o historiador notou que a atribuição de papel político aos militares está em cinco das nossas sete Constituições. A atual diz que as Forças Armadas são organizadas “sob a autoridade suprema do presidente da República” e podem ser acionadas pelos Três Poderes a pretexto da garantia “da lei e da ordem”.

“Isso é uma contradição em termos. E se o presidente resolver fechar o Congresso?”, questiona o historiador. “Parece haver um acordo tácito em torno da ideia de que a República ainda precisa dessa bengala”, critica.

Embora as pesquisas mostrem que as Forças Armadas são a instituição mais respeitada pelos brasileiros, Carvalho diz que as trapalhadas do presidente podem afetar a imagem dos militares. “Com toda a maluquice do Bolsonaro, eu esperava que ele aprendesse alguma coisa no cargo”, comenta. A última “asneira”, nas palavras do historiador, foi a indicação do filho para chefiar a embaixada do Brasil em Washington. “O familismo é típico de governos autoritários”, sentencia.


Fonte: OGlobo.com

Tags: o capitão e os generais