12 anos de muita alegria

E lá se vão 11 anos! Rafinha a minha terceira princesa.

Só o amor constrói! Só o conhecimento fortalece!

23/10/2018 por Por Raul Rodrigues

Foi um desafio! Após tantos anos de vida de solteiro com as facilidades de não dar satisfação a ninguém, trabalhar e fazer do meu horário o que mais me conviesse, depois de vencer desafios até estranhos à minha personalidade por inveja e à maldade alheia, infelizes e mentes doentias não geram boas energias, eis que me surge à minha frente uma ex-aluna também divorciada e com pretensões de formar uma nova família. Silvana foi um remédio na medida certa para todas as minhas dores do coração e da alma.

Há exatos onze anos e quinze dias, nos desposemos a recomeçar nossas vidas e pelo sábio conselho da espiritualidade nos foi enviada o nosso cadeado – Rafaela Rodrigues Góes Gomes – a Rafinha, que nos completa em tudo: a intersecção entre Mayara e Mayra, minhas duas filhas do primeiro casamento, e Bianca e Rebeca, as duas primeiras filhas do também primeiro casamento de Silvana. Rafaela que quer dizer “curada por Deus” nos veio como missão manter-nos unidos para sempre e por meio dela transformar vidas. E assim está sendo escrito.

Bebê dócil criada com todo o carinho nos tem feito companhia dias e noites com as mesmas querelas de uma criação normal. Muito trabalho para manter as obrigações do dia-a-dia, estudar e brincar – mantendo sob vigília constante a utilização das novas tecnologias, que trazem boas novas, mas sempre sob o risco das ameaças provocadas pelos adultos, e não pelos menores, diga-se de passagem.

No próximo dia sete de novembro estará a completar seus onze anos entre familiares e amigas e amigos, devorando por vezes a paciência da mãe e do pai que aos quarenta e nove anos de idade resolveu partilhar dessa aventura da vida que é ser pai novamente. A alegria em tê-la conosco é a cada dia um recomeço daquilo que foi decidido por Deus e por nossa ancestralidade – a espiritualidade – para nossas vidas fossem transformadas para melhor o que se reflete em nossas próprias vidas.

Que minha terceira princesa seja sempre o símbolo da felicidade não perene para que nós mesmos possamos corrigir os nossos erros e falhas durante o caminhar na vida terrena.

Obrigado ao bom Deus pela oportunidade e a Silvana pelo presente que me foi dado por intermédio da sua quase extemporânea gravidez. São símbolos eternos do meu amor!
 


Fonte: correiodoppovo-al.com.br

Tags: e lá se vão 11 anos! rafinha a minha terceira princesa.