E não somos Nostradamus

Políticos alagoanos na média nacional; são péssimos, mas com chances de reeleição!

A mesma analogia serve para os deputados federais. Mas tem gente enganando a gente!

26/07/2018 por Por Raul Rodrigues

É frase secular representar a política como espelho da sociedade. E isto é uma assertiva milenar. Basta olharmos a formação das câmaras de vereadores do Brasil. Recheadas de distorções em nível social, cultural, educacional e, em resumo, tão intelectualizada quanto o próprio povo. Logo reflete o povo.

Assim sendo e por analogia podemos concluir que nossos representantes na esfera nacional – deputados federais e senadores – são parte dessa aquarela mesclada de tons belos e harmônicos com as águas servidas em meio aos meios-fios que percorrem as ruas espalhando vetores de doenças e aos seus próprios moradores. Somos miscigenados. E miscigenação é falta de pureza.

Os nossos senadores são podres. Todo mundo sabe disso. Entretanto, os novos nomes oferecidos são verborragia pura. Ou melhor: o suprassumo da verborragia. Desconhecidos para tal disputa, com currículos minimizados se comparados com os atuais – mesmo que envolvidos em toda a lama da corrupção – e com sobra de caixa para fazer o povo sorrir. Logo, eleição pré-definida.

Infelizmente somos parte da banda menor e que não elege, contra a podridão de uma maioria ignorante – desconhece – e vulnerável pela própria natureza. Prefere deitar em berço esplendido por um dia e sofrer por quatro anos por se tratar de cultural a sua doença mental. Diarreia cefálica.

 


Fonte: correiodopovo-al.com.br

Tags: políticos alagoanos na média nacional; são péssimos - mas com chances de reeleição!