Ao Mestre Com Carinho

Palavras ao amigo, professor e pai Ad Hoc, Augusto do Jackson de Figueiredo

Aos Mestres Com Carinho o nosso reconhecimento

28/02/2018 por Por Raul Rodrigues

Na última sexta-feira, dia 23, foi prestada uma homenagem aos professores dos anos 1975/1977 do Colégio Jackson de Figueiredo, na capital sergipana – Aracaju – Professores, Augusto, Roberto Calumby, Ednaldo e Professora Yvone, encontro ao qual esse redator havia confirmado presença, mas por compromissos em Maceió, não pude comparecer.

E, caberia a mim prestar uma homenagem ao Professor Augusto, aquele que defino no que segue.

Amigo, professor e pai Ad Hoc dos que estudavam no sistema interno, e para tanto teria que abdicar das suas funções de pai dos seus próprios filhos durante as manhãs e tardes de segundas às sextas-feiras, isto por todo o período dos anos letivos que lhe foram contratados durante décadas. E a nós alunos internos do Colégio Jackson de Figueiredo cabe reconhecer neste gesto a dedicação de quem nos ensinou por amor. Salários já existiam naquela época, mas com tamanha dedicação e zelo pelas nossas vidas e nosso futuro só o amor explicaria sua participação em nossas vidas. E por meio deste reconhecimento agradecer à Acácia, sua filha mais velha, por ter dividido o vosso pai conosco.

Da mesma forma o faço ao professor Roberto Calumby, que deixava as suas possíveis noites calientes com Telma, para tomar conta de várias dezenas jovens adolescentes em plena erupção de hormônios e ossos em crescimento, além das mil e uma aventuras que cercavam as nossas juvenis cabeças. Calumby que nos mantinha durante odos os dias da semana – exceto finais de semana – quando era substituído por Carlão, é arte do alicerce que permitiu a construção solida dos homens de verdade formados pelo CJF. Ao Professor Roberto Calumby os nossos mais sinceros agradecimentos, repetindo o que fiz em nosso penúltimo encontro na Casa Baviera.

Somente o amor à profissão e dedicação a formar cidadãos poderia explicar depois de passados quarenta anos o que vocês nos fizeram. Prova disto o tempo fazendo ecoar nossos mais sinceros muito obrigado por ter nos dedicado tamanho esmero, cuja tradução verdadeira se resume em amor.

Mas o que é o amor? Todos os poetas estudados por nós sob o comando da Professora Yvone Mendonça não nos permitiu saber a definição. Mas o tempo como senhor da razão nos garante que amor é algo tão sublime que o tempo não apaga. Pelo contrário nos faz acreditar por meio dele que o que recebemos foi um ATO DE AMOR!
 


Fonte: correiodopovo-al.com.br

Tags: palavras ao amigo - professor e pai ad hoc - augusto do jackson de figueiredo