VATICANO

Morre um dos homens que acusou número 3 do Vaticano de abuso sexual

Damian Dignan lutava contra doença há anos; processo pode ser afetado

08/01/2018 por Redação

MELBOURNE — Morreu neste domingo o homem que foi à televisão acusar o Cardeal George Pell, então conhecido como o número 3 do Vaticano, de abuso sexual. Damian Dignan padeceu de uma doença contra a qual lutava há anos antes de o processo ir à tribunal, em Melbourne. Segundo a mídia australiana, o processo pode ser afetado em função da morte do acusador e de sua ausência diante do juízo.

O religioso australiano, de 76 anos, foi indiciado, em junho do ano passado, por se aproveitar de crianças — queixa que ele nega desde 2016, quando passou a ser alvo de "diversas" acusações de abuso sexual. George Pell tirou uma licença do Vaticano, no qual trabalhava como tesoureiro, para encarar o processo.

Pelo Facebook, a ex-companheira de Damian Dignan e mãe de seus filhos confirmou a morte do australiano. "É difícil dizer adeus, mas agora você está livre da dor, e esta é a melhor coisa que poderíamos esperar", escreveu Sharon Rixon, que manteve a amizade após o término do relacionamento.

Segundo a mídia local, a ausência de Dignan no tribunal pode afetar o processo contra o cardeal. O australiano levou a público as alegações contra Pell, o mais importante líder católico do país e o terceiro nome do Vaticano, em uma entrevista de televisão, em março de 2016. Três meses depois, a polícia indiciou o religioso por "múltiplas queixas" ocorridas no passado. O acusado é esperado no tribunal em março deste ano.

Em julho de 2016, o canal "Australian Broadcasting Corporation" denunciou várias acusações de abusos de menores contra Pell. Entre as acusações estão os depoimentos de dois homens, que afirmaram terem sido apalpados pelo cardeal no verão de 1978-79 na cidade de Ballarat — onde Dignan morava. De acordo com outro depoimento, Pell teria ficado nu diante de três meninos com idade entre 8 e 10 anos no vestiário de um clube no verão de 1986-1987.

O advogado do cardeal antecipou à mídia local que seu cliente se dirá inocente a todas as acusações, cujos detalhes não foram divulgados.

"Normalmente, é preciso que a pessoa que deu evidência (ao caso) esteja lá (no tribunal). Pode ser o caso que, sem ele lá, a acusação não possa proceder. Mas não há certeza", destacou o ex-magistrado Nicholas Papas ao "The Australian"


Fonte: oglobo.com

Tags: morre um dos homens que acusou número 3 do vaticano de abuso sexual