publicidade

notícias

09.09.2017 - 09:07   por Redação

Irma atinge Cuba e 5 milhões deixam suas casas na Flórida

No último alerta, centro do furacão estava a 395 quilômetros de Miami

HAVANA — O poderoso furacão Irma chegou à Cuba na noite de sexta-feira, provocando estragos particularmente nas cidades da costa norte do país. Até o momento, não há informações sobre vítimas fatais na ilha, mas a defesa civil no país mantém o estado de alerta, com 155 brigadas prontas para agir em casos de emergência. A população foi deslocada para regiões seguras, e a infraestrutura sensível aos fortes ventos foi removida para evitar danos materiais. Na manhã deste sábado, a tormenta segue em direção à Flórida, nos EUA, onde mais de 5 milhões de pessoas foram evacuadas.

Segundo Ramón Pardo Guerra, chefe do Estado Maior Nacional da Defesa Civil de Cuba, a região norte do país fica em alerta até a manhã de domingo, sobretudo pelos riscos de inundações. No momento mais crítico, o nível do mar chegou a subir cerca de dois metros. As ondas podem atingir entre seis e dez metros. O Irma havia perdido força na manhã de sexta-feira, mas se fortaleceu durante o dia e atingiu Cuba como um furacão de categoria 5, o mais alto da escala Saffir-Simpson. A última vez que isso havia acontecido foi em 1932. O instrumento de medição do Instituto de Meteorologia cubano instalado em Esmeralda, Camagüey, se rompeu após registrar ventos de 200 km/h. Na manhã deste sábado, o Irma retornou à categoria 4.

De acordo com o jornal estatal "Granma", Baracoa, em Guantánamo, foi o primeiro território a receber o furacão Irma. Por lá foram constatadas a destruição parcial de algumas residências, edifícios oficiais, estradas e a pista do aeroporto. Danos também foram provocados em fazendas e na rede elétrica. A tormenta também causou estragos na comunidade de Yumuri, no bairro de El Turey e na comunidade serrana de Palma Clara. Em Barracoa, mais de 33 mil pessoas foram evacuadas para locais seguros. Ao todo, cerca de um milhão de pessoas tiveram que deixar suas casas no país.

O Ministério das Comunicações desmontou as antenas de sinal Wi-Fi na região afetada para evitar danos materiais, e elas serão recolocadas assim que o furacão passar. A Unión Eléctrica de Cuba disponibilizou 25 torres de emergência para a distribuição de energia.

— Tomamos essa medida de prevenção, pois estes aparelhos são muito sensíveis a ventos fortes — explicou Manuel Zayas Martínez, do Ministério das Comunicações. — Foram desmontadas as antenas emissoras de sinal Wi-Fi em cerca de 100 zonas distribuídas pelas províncias da costa norte que receberam o impacto do Irma.

Na Flórida, nos EUA, as autoridades aguardam o Irma com apreensão. O governo local ordenou a evacuação de 5,6 milhões de pessoas antes que o furacão atinja o estado, o que é previsto para a noite deste sábado. O último comunicado do Centro Nacional de Furacões, divulgado às 4h deste sábado, pelo horário de Brasília, o olho do Irma estava a 395 quilômetros de Miami, com ventos de 250 km/h, se movendo a 19 km/h.

“São esperadas algumas flutuações em intensidade nos próximos dois dias, mas Irma deve se manter como um poderoso furacão enquanto se aproxima da Flórida”, diz o documento. “Os ventos com força de furacão se estendem por 110 quilômetros do centro e ventos com força de tempestade tropical se estendem por 315 quilômetros”.

A previsão é que a primeira região americana atingida pelo Irma seja as Florida Keys, e logo depois, Miami, com ventos de até 240 km/

“O Irma continua sendo um furacão extremamente perigoso. As franjas externas estão começando a atingir as Florida Keys”, alertou o Serviço Meteorológico Nacional dos EUA, pelo Twitter. “Não é tarde para abandonar as Florida Keys. Ainda há tempo para sair nesta manhã. Por favor, as Florida Keys não são seguras”.

‘NÃO ENCONTRAREI NADA QUANDO VOLTAR’

Durante a sexta-feira, as rodovias que deixam a região estavam totalmente congestionadas. No sentido oposto, comboios militares se dirigiam ao sul com combustível para permitir que mais pessoas rumassem ao norte. Mais de um milhão de pessoas receberam ordens obrigatórias de evacuação na Flórida e no estado vizinho da Geórgia, mas o governador da Flórida, Rick Scott, alertou que todos os 20,6 milhões de habitantes do estado devem estar prontos para evacuar.

— É uma tormenta catastrófica como este estado nunca viu antes — enfatizou Scott.

Antes de partir, moradores protegiam suas casas instalando placas de madeira ou zinco, apesar de saberem que as medidas podem ser em vão.

— As placas vão sair voando — lamentou Pedro Martí, bombeiro cubano de 49 anos que colocava as madeiras que ele mesmo considerava “ridículas”, em entrevista à AFP. — Não encontrarei nada quando voltar.

As autoridades de West Palm Beach decretaram toque de recolher para sábado, enquanto em Miami Beach, a avenida Ocean Drive, normalmente lotada, estava vazia na noite de sexta-feira.

— Só podemos rezar pelo melhor — comentou David Wallack, de 67 anos, dono de um clube de salsa. — Colocamos o que podemos nas malas e só nos resta a esperança.

O Irma deixou ao menos 19 mortos no Caribe, sendo dois em Porto Rico, quatro nas Ilhas Virgens, um em Barbuda, dez nas ilhas francesas San Martin e San Bartolomé, e dois no lado holandês de San Martín, além de dezenas de feridos e um desaparecido no Haiti. Bahamas, vizinha de Cuba, escapou quase ilesa da tormenta. Em Porto Rico, mais da metade dos três milhões de moradores ficou sem eletricidade; Barbuda foi “totalmente devastada”; e sem San Martin não havia água potável, combustíveis e as estradas ficaram intransitáveis.

E os esforços de socorro na região enfrentam um novo desafio: o furacão José, de categoria 4, que deve atingir a zona do Caribe ainda neste sábado. Um terceiro furacão, o Kátia, tocou a terra na noite de sexta-feira no estado mexicano de Veracruz, mas foi rebaixado para tempestade tropical, dando alívio para a população do país que sofreu um terremoto de magnitude 8,2 na escala Richter. 


Fonte: OGlobo.com

Tags: irma atinge cuba e 5 milhões deixam suas casas na flórida

comentários

deixe seu comentário

publicidade

facebook

@correiodopovoal

Correio do Povo Alagoas © 2012. Todos os direitos reservados