publicidade

Publicidade

notícias

02.09.2017 - 16:46   por Por Raul Rodrigues

Dona Florize Mota a “internet” de Penedo nos idos de 60/70 – a Banca de Revista –

Era através dela que Penedo tomava conhecimento de tudo que acontecia pelo Brasil e no Mundo.

Há de se reconhecer que a iniciativa foi do grupo Peixoto&Gonçalves ao fundar o Majestoso Hotel São Francisco em 1959 era por conta influência trazida dos grandes centros do Brasil e do Mundo por onde passeavam e realizavam negócios os membros da tradicional família empresarial do baixo São Francisco, sob o comando do Comendador José da Silva Peixoto, mais conhecido por Zeca Peixoto.

Nesse contexto a visão de modernização chegava a Penedo também pelos serviços oferecidos a penedenses e visitantes na própria estrutura do Hotel São Francisco: barbearia com as mais modernas cadeiras giratórias em cor azul, com assento regulável para a altura que melhor conviesse ao barbeiro, a lanchonete e sorveteria com os mais requintados traços da Europa pelos diversos sabores de picolé e sorvete, além dos sanduiches de origem inglesa ou norte-americana, como hambúrguer, cheeseburger, bauru, misto e americano, todos servidos acompanhados de refrigerantes das mais variadas marcas, e o incremento do ketchup e maionese, na época nunca usados em nas casas da classe média.

Andar no Hotel São Francisco era viajar o mundo em dois segundos.

E a portabilidade para esta viagem estava justamente em um apêndice – porta pequena – localizada ao lado direito do majestoso prédio se olhado de frente, na banca de revistas da Dona Florize. A nossa internet dos anos 60/70, meados de 80.

Ali você encontrava as Revistas: O Cruzeiro, A Manchete, de reportagens mundiais e de todo o Brasil, e as romancistas, Contigo, Fato e Fotos, Amiga, e a revista masculina Placar que trazia todas as semanas o resumo de todos os campeonatos de futebol do país.

Dona Florize era a nossa internet. Ela nos ligava ao mundo pelas notícias, e interligava aos adolescentes da época com as famosas revistas de quadrinhos do mundo moderno: Zé Carioca, Pato Donald, Tio Patinhas e tantas outras.

Dona Florize com seu olhar sempre ampliado pelos óculos “fundo de garrafa” – sem nenhum pensamento ou direcionamento pejorativo – tão somente descritivo deve ser sempre lembrada pelas pessoas da época como a nossa internet dos anos 60/70/80.


Fonte: correiodopovo-al.com.br

Tags: dona florize mota a “internet” de penedo nos idos de 60/70 – a banca de revista –

comentários

deixe seu comentário

publicidade

facebook

@correiodopovoal

Correio do Povo Alagoas © 2012. Todos os direitos reservados