Domingo, Dezembro 10, 2017

publicidade

notícias

12.08.2017 - 15:18   por Por Raul Rodrigues

No enfrentamento duro quem terá coragem de abrir o verbo na CVP?

Nenhum vereador terá coragem de denunciar acordos e suas bases.

A ida do vereador Rogério dos Peixoto para a bancada governista ainda é o assunto da política local em foco. Ninguém consegue esquecer tal mudança, nem do grupo da oposição, nem do grupo governista. As visões são múltiplas.

A bancada governista comemora e vibra com o gol de placa de MB contra a oposição, e sorrir de alegria pela conquista do último voto que precisava para aprovar a Previdência Própria. Vitória de Március Beltrão é uma questão de tempo na votação. Se em primeira sessão, ou em sequência caso alguém peça vistas. Tudo é apenas uma questão de tempo.

Já a bancada da oposição busca digerir o gosto amargo do fel na diminuição do número de pares sem a menor condição de impedir tal deslocamento de uma das placas tectônicas que deixou um terremoto de 6º na escala Richter nas bases oposicionista. É o preço de uma oposição enfraquecida pela total ausência de grupo sem cabeça. Somente o corpo existe. Corpo não pensa. Bate de frente com quarto zagueiro de 120kg.

Reclamar? Quem tem a coragem para dizer as verdades – todas elas – sobre quem está na ala governista? Elas existem. Mas ninguém tem coragem de rasgar o verbo. Cada vereador sabe o tamanho do número do seu sapato.

Que é fato a relação de cargos e aluguel de prédio que cerca Fagner Matias, ninguém duvida. Mas alguém tem peito de elencar nome por nome, cargo por cargo, além de ressaltar o valor do aluguel da Escola Nossa Senhora de Fátima? Ninguém terá tal coragem e tudo ficará em silêncio, como também sobre os acordos de Marcelo Pereira, Ernande Pinheiro, Raquel Tavares, Derivan Thomaz, Bili Marques, Mano da Caçamba e Macaxeira. Lembrando que Fagner, Raquel, Bili, Mano e Macaxeira já eram do grupo de MB. Portanto o apoio seria natural.

Mesmo assim, um G4 foi formado, depois reduzido a G3, somente em função de buscas de espaços. Quem não sabia disso morreu em 2016.

Portanto, na “dura” discussão sobre a Previdência Própria, a oposição se enfraqueceu, o governo se fortaleceu, e apenas o servidor perdeu!


Fonte: correiodopovo-al.com.br

Tags: no enfrentamento duro quem terá coragem de abrir o verbo na cvp?

comentários

deixe seu comentário

publicidade

facebook

@correiodopovoal

Correio do Povo Alagoas © 2012. Todos os direitos reservados