publicidade

Publicidade

notícias

17.07.2017 - 14:28   por Por Raul Rodrigues

Ministério da Justiça: De Abi-Ackel a Renan Calheiros nada a favor do povo.

Segundo a própria filosofia, quando votamos geramos nossa imagem e semelhança.

O Ministério da Justiça do Brasil nunca foi tão negociado entre pessoas de tão baixo nível de reputação quanto nos últimos 40/30 anos que vai de Abi-Ackel, o homem da venda de pedras preciosas – contrabando – à Renan Calheiros que provocou desarmamento dos cidadãos de bem para aparelhar de maneira sórdida à bandidagem que atualmente toma conta do país. Aliás, se tornou poder paralelo.

Nunca fomos tão desprotegidos no quesito segurança quanto nos tempos atuais. São estados que disputam o mais alto da criminalidade, e cidades completamente dominadas pelo tráfico de drogas, de armas, ou de influência. Estamos falando do Rio de Janeiro, de São Paulo e Brasília, respectivamente.

Nunca Alagoas foi tão bem classificado em número de mortes quanto nos últimos anos. Chegamos a ter a capital mais violenta do país. Batemos recordes de outros estados muito maiores e com traficantes famosos do porte de Fernandinho Beira-mar dentre outros. Deixamos para trás o PCC.

Nunca Penedo teve cenas tão horripilantes quanto nos últimos quatro/cinco anos. Bandidos que chegaram a dominar regiões inteiras, matando por encomenda ou pelo próprio interesse de áreas. Ainda bem que isto diminuiu.

Mas somos o espelho do que escolhemos; as câmaras de vereadores, as assembleias legislativas, a câmara federal e o senado, são ditos como espelho da sociedade.

Logo, se temos ministros da justiça envolvidos em contrabandos ou liberação de armas para bandidos, é por sermos representados por esse tipo de gente.

Nós nunca avançamos. Sempre encolhemos.
 


Fonte: correiodopovo-al.com.br

Tags: ministério da justiça: de abi ackel a renan calheiros nada a favor do povo.

comentários

deixe seu comentário

publicidade

facebook

@correiodopovoal

Correio do Povo Alagoas © 2012. Todos os direitos reservados