Explosão da DEIC

Vítima da explosão da DEIC

Enterro foi marcado por protestos de colegas

21/12/2012 por Redação
Familiares a amigos estavam inconformados com morte trágica da policial

O corpo da policial Maria Amélia Dantas, 43 anos, foi sepultado na tarde desta sexta-feira (21), no Campo Santo Parque das Flores, sob forte comoção de familiares, amigos e colegas de trabalho da Polícia Civil, que foram ao cemitério Parque das Flores, no bairro do Tabueliro do Martins, para dar o último adeus à colega.

“A notícia foi muito chocante para a família. Até agora não recebemos nenhuma explicação sobre o que aconteceu”, disse Henrique Dantas, ex-marido da policial. Os dois foram casados por onze anos e tiveram dois filhos, Mayara, de 22 anos, e Alexandre, de 18.

"O governo deve uma justificativa à sociedade para esse acidente que ceifou a vida de uma mãe de família e uma profissional tão querida por todos os que a conheciam", disse Henrique.

Os companheiros do Sindicato dos Policiais Civis de Alagoas (Sindipol-AL), do qual Maria Amélia era delegada sindical, fizeram discursos onde enalteceram o trabalho realizado pela policial como profissional e líder de classe.

A diretoria do Sindpol-AL, que ajudou com os custos dos serviços funerais, divulgou nota oficial na manhã desta sexta-feira responsabilizando o governo do Estado pela morte da sindicalista, denunciando ainda as condições adversas de trabalho  dos policiais civis no Estado.


Fonte: Tudonahora