Explosão da DEIC

Explosão da DEIC sob investigações

Explicações de delegado são conflitantes com declaração de policiais

21/12/2012 por Renée Le Campion
Carlos Reis: informação contraria declarações de policiais

O delegado Carlos Reis, presidente da comissão que investiga a explosão na base da Divisão Especial de Investigação e Capturas (Deic), afirmou ao TNH1 na tarde desta sexta-feira (21) que o material que provocou o acidente (incluindo cargas de dinamite) estava armazenado "só há dois dias" no prédio do Farol. Segundo o delegado, os explosivos armazenados eram resultado de apreensões, incluindo – ainda segundo Carlos Reis – "uma operação do Gecoc [Grupo Especial de Combate às Organizações Criminosas do Ministério Público]".

Ontem, entretanto, momentos após o acidente, policiais afirmavam que os explosivos já estavam na Deic há muito tempo. À reportagem do TNH1, alguns deles disseram que trabalhavam para tentar tirar o perigoso material de lá.

Depois de fazer o relato acerca dos supostos "dois dias", o delegado Carlos Reis não quis dar outras informações. “Ainda não podemos falar muita coisa porque a investigação acabou de ser iniciada. (...) É preciso entender como funciona: quando um objeto é apreendido, é necessário pedir autorização aos órgãos competentes para que os explosivos sejam levados ao Exército”, afirmou o delegado.

Em relação ao perigo a que os moradores foram expostos, Carlos Reis se limitou a dizer que os explosivos estavam armazenados na Deic "temporariamente" e que, a partir de agora, ficarão no Exército.

Hoje, o secretário de Defesa Social, Dário Casar, a secretária Nacional de Segurança Pública, Regina Miki, e a cúpula da Polícia Civil se reuniram para definir medidas para retomar o funcionamento da Deic.

Miki falou sobre a necessidade de a Deic voltar a trabalhar o mais rápido possível. “Entendemos a necessidade da investigação criminal. Uma das prioridades do Brasil Mais Seguro e da Secretaria Nacional de Segurança Pública é aprimorar a investigação”, frisou.

Também presente na reunião, o delegado-geral da Polícia Civil, Paulo Cerqueira, afirmou que os cartórios com os inquéritos que tramitavam na Deic não foram afetados com o acidente. A diretora da Deic, delegada Ana Luiza Nogueira, reiterou a informação e acrescentou que não houve perdas, pois parte dos processos são digitalizados.


Fonte: Tudonahora